A atriz Regina Duarte voltou ao foco político nacional. Ela que nos anos 2000 chegou a protagonizar campanhas políticas contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva dizendo que tinha "medo" de  que o Partido dos Trabalhadores (#PT) governasse o país, o que acabou acontecendo nos últimos quatorze anos. Regina decidiu usar as redes sociais para vociferar contra a opinião dos colegas, que são desfavoráveis ao fim do Ministério da Cultura. A profissional da dramaturgia defende um caminho diferente. Ela diz ser um engano achar que em um momento de grave crise econômica e política a cultura conseguirá se salvar, pois um "desconserto geral" abateu a sociedade brasileira.

Publicidade
Publicidade

No Instagram, ela também mostrou que é a favor do presidente em exercício Michel Temer, do PMDB. 

“Se o país está ‘em coma’, não entendo a insistência no autoengano de achar que a Cultura pode se safar, sadia, do desconserto geral que nos abateu", disse ela na rede social. Regina diz que os argumentos dos colegas artistas são lindos na teoria, mas que a prática que estamos vendo é bem "dolorida". Em seguida, ela defendeu que a agora Secretaria de Cultura fosse "internado" no Ministério da Educação, que foi chamado de "hospital". Para Duarte, apenas após uma possível alta, será possível começar a analisar o que será melhor para os brasileiros. O presidente Temer queria que a Secretaria fosse ocupada por uma mulher, mas ele teve grande dificuldade para encontrar esse nome.

Publicidade

Marília Gabriela e Daniela Mercury seriam apenas algumas das celebridades consultadas. A secretaria, no entanto, acabou ficando com um homem, Marcelo Calero, ex-Secretário de Cultura do município do Rio de Janeiro. 

Não é a primeira vez que Regina se posiciona politicamente. Recentemente, ela deu uma polêmica entrevista à televisão portuguesa, quando revelou que o Brasil precisaria passar por esse momento de dor, que é o impeachment de uma presidente, para que comece a superar a crise. Ela revelou também que era a favor da deposição de Dilma Rousseff.