Nesta segunda-feira, 09, após saberem da decisão do deputado Waldir Maranhão, do Partido Progressista e que está como presidente interino da casa, em anular a sessão do processo de #Impeachment da presidente Dilma Rousseff, algumas personalidades políticas do Partido dos Trabalhadores (PT) decidiram gravar um polêmico vídeo. Nele, nomes como o dos Senadores Lindbergh Farias (Rio de Janeiro) e Gleisi Hoffmann (Paraná) saem do Congresso para uma reunião no Palácio do Planalto com #Dilma Rousseff.

Andando, eles comemoram a anulação da sessão, dizem que agora fica ainda mais claro que o impeachment é um golpe e que a nova votação terá que julgar também o vice-presidente da república Michel Temer, do PMDB.

Publicidade
Publicidade

"Eleições indiretas nunca mais no Brasil", disse um deles. Eles chegam a homenagear os grupos sociais que estão na rua, dizendo que foi a pressão social que fez o presidente mudar a decisão de seu antecessor, deputado Eduardo Cunha (PMDB - RJ), que foi afastado pelo Supremo Tribunal Federal) depois de ter, segundo a procuradoria-geral da república, obstruído investigações, especialmente as do âmbito da Lava Jato.

No fim do vídeo, os Senadores chegam a fazerem o grito de guerra de "Não vai ter golpe", demonstrando enorme felicidade com a notícia que foi surpreendente para a maioria dos brasileiros. O que eles não esperavam é que a decisão de Maranhão seria completamente ignorada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB - Alagoas), que decidiu manter a votação do afastamento para esta quarta-feira, 11.

Publicidade

Pior, horas mais tarde, o próprio Waldir decidiu revogar sua própria decisão, que ainda nem estava publicada no Diário Oficial. A publicação saiu com atraso e teve as duas medidas, a anulação e a revogação da anulação.

Não obstante, os Congressistas viraram piada, uma verdadeira "chacota" na internet. "PT tenta cancelar 7 a 1 do Brasil na Copa, mas não consegue", brincou um internauta ao inventar possíveis manchetes que poderiam mudar de acordo com a posição da legenda de Dilma. 

Veja abaixo o vídeo que está provocando polêmica na internet:

#Lula