A presidente afastada Dilma Rousseff compartilhou em seu Facebook oficial na tarde deste sábado, 21, uma nota assinada pelo seu advogado de defesa, José Eduardo Cardozo. Ele é acusado pela Advocacia-Geral da União de manchar a imagem das instituições brasileiras ao usar a expressão "golpe" para tentar proteger a petista. Cardozo tem até dez dias para se defender em uma sindicância que foi aberta. Nela, ele é acusado de cometer improbidade administrativa. Caso a irregularidade seja comprovada, ele pode perder o direito de concorrer a qualquer outro cargo público. 

Na nota, Cardozo diz que está indignado com a decisão que foi assinada pelo novo Advogado-Geral da União, Doutor Fabio Medina Osório.

Publicidade
Publicidade

O defensor de Rousseff diz que a sindicância ofende à sua honra e que se trata de uma tentativa de intimidá-lo de atuar como advogado. De acordo com o ex-Ministro da Justiça, isso viola o estatuto dos profissionais da justiça, estabelecido pela Lei nº 8.906 de 1994. Nessa lei, os defensores tem o direito de ter independência, liberdade e imunidade profissional. Segundo Cardozo, a questão de utilizar a expressão "golpe" já teria sido verificada pela presidência da república, que preferiu arquivar um possível processo contra ele, dizendo que seu trabalho durante a defesa de Dilma teria sido completamente regular. 

O ex-Ministro da Justiça cita um texto assinado pelo atual Advogado-Geral da União, que em abril, teria dito que "na medida em que (o #Impeachment) contrariaria a Constituição, deveria ser qualificado como um “golpe”.

Publicidade

O texto teria sido publicado no Diário do Grande ABC. Por fim, Cardozo acusa o novo Advogado-Geral da União de tentar censurá-lo e que isso é inaceitável em um Estado Democrático de Direito. O defensor de Rousseff garantiu que faria um pedido ao atual presidente em exercício, Michel Temer, sobre o que chamou de ato ofensivo, além de representar no Conselho de Ética e tomar outras medidas judiciais cabíveis. 

A Advocacia-Geral da União ainda não comentou a nota assinada por José Eduardo Cardozo.  #Dilma Rousseff