A mãe, Camila Santos Nascimento de 18 anos, foi presa ao ser acusada de matar o seu próprio filho de apenas um mês de vida na zona rural de Itapetinga, sudoeste da Bahia. Segundo o relato da polícia, ela cometeu o #Crime após um surto de ciúmes.

“Depois que o bebê nasceu ninguém estava mais me dando atenção”, disse Camila.

No início, a acusada criou uma versão de que teria retornado a sua residência e encontrado as portas e janelas todas abertas, simulando um cenário de que alguém teria entrado e assassinado o seu filho. Ela dizia ter ido até o quarto e se deparado com o bebê já ferido e sangrando.

"Ela disse que alguém entrou pelo fundo e simulou a situação. Ela foi para a casa da vizinha depois do crime. Ela tentou esse álibi para não ser descoberta", informou o delegado José Robson Oliveira Santos, responsável pelo caso.

Publicidade
Publicidade

Quando a equipe técnica foi investigar o local do crime, encontrou uma fralda ensanguentada e uma faca cheia de sangue em um matagal aos arredores da casa de Camila.

Depois de muito questionada, Camila logo mudou sua história e confessou todo o crime. Segundo o seu depoimento, ela achava que depois do nascimento do seu filho, ninguém mais dava atenção para ela, em especial a família e o seu esposo.

A mulher ainda contou detalhes do crime, onde ela levou o bebê para o banheiro, deu uma facada e depois tentou fechar o corte com a fita adesiva.

O pai da criança estava trabalhando em outra fazenda e não sabia de nada, mas prestou depoimento e foi liberado em seguida.

O crime ocorreu na fazenda Boi Bom, nesta quinta (26), na região conhecida como Cavalo Preto, e o corpo do bebê, chamado Adriano, foi encontrado em seu quarto dentro do berço onde costumava dormir.

Publicidade

Como ferimento, ele apresentava um corte de aproximadamente 10 cm de profundidade no peito.

Depois de removido pelo Departamento de Polícia Técnica, o corpo do bebê foi encaminhado para o IML. A mãe assassina foi detida e se encontra presa na carceragem de Itapetinga. O caso ainda está sob investigação e a mãe do bebê ainda deve ir a julgamento. #Investigação Criminal #Casos de polícia