Ser petista em tempos de crise não está nada fácil. Com o iminente impeachment de Dilma Rousseff, investigações e denúncias contra grandes nomes que rodeiam o governo, agora a juíza Maria Priscilla Veiga de Oliveira da 4ª Vara Criminal de São Paulo enviou os autos do processo contra #Lula para Curitiba, pedindo a prisão do ex-presidente.

Um pedido de prisão havia sido apresentado pelos promotores Fernando Henrique Moraes de Araújo, Cássio Conserino e José Carlos Blat  do Ministério Público de São Paulo pelos crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

A remessa dos autos para a 13ª Vara Federal de Curitiba ou 'República de Curitiba' como o próprio Luís Inácio Lula da Silva costuma dizer, se dá pelo fato da juíza competente do MP-SP entender que os delitos relacionados ao imóvel de Lula já são objeto de investigação da Operação #Lava Jato, de forma que conferiu ao juiz federal Sérgio Moro a decisão contra o ex-presidente.

Publicidade
Publicidade

O pedido de prisão segue junto aos autos do processo e Moro deve decidir os próximos passos. Sem alarde, assim como foi o depoimento coercitivo do petista há quase dois meses, o juiz federal deve analisar com cautela a melhor forma de atender ao pedido. A remessa foi enviada dia 28 de abril e já se encontra sob poder federal.

Há alguns dias foi divulgado que das três linhas de investigação contra Lula na Lava Jato, uma delas, que refere-se ao sítio de Atibaia, já possuía elementos suficientes para denunciar o petista formalmente e colocá-lo no banco dos réus.

Na ocasião das divulgações oficiais, o juiz Sérgio Moro se encontrava nos Estados Unidos, onde foi homenageado pela revista Time em um jantar de gala feito para as cem pessoas mais influentes do mundo. Moro foi o único brasileiro a figurar na lista, dividindo espaço na publicação com grandes nomes mundiais, como Vladimir Putin, Angela Merkel e Barack Obama.

Versão da defesa

Em defesa ao ex-presidente Lula, seus advogados alegam que os autos não podem ficar em mãos de Sérgio Moro, pois o imóvel que é objeto do processo encontra-se em São Paulo, sendo de competência da justiça estadual do estado e não da justiça federal com sede no Paraná.

Publicidade

Também alegam que não há qualquer ligação do imóvel com os recursos da Petrobras e levantam a hipótese, 'absurda', segundo o próprio advogado, de que se houvesse alguma ligação entre as ações, de acordo com a normativa em vigor cabe a justiça estadual julgar e não a federal, pois a Petrobras é uma sociedade de economia mista.

O cerco se fecha

Segundo os promotores responsáveis pela denúncia contra Lula, foram colhidos mais de vinte depoimentos de pessoas diversas que confirmam que o Triplex era destinado ao petista. As testemunhas variam de funcionários do prédio até o dono da empresa que reformou o imóvel. Marisa e Fábio Luiz, filho de Lula, também foram denunciados por participação no crime de lavagem de dinheiro. #PT