Visando garantir a segurança dos profissionais e torcedores do Brasil e os que vierem de todos os cantos do mundo ao país, em agosto, para prestigiarem a Olimpíada do Rio de Janeiro, 95 integrantes dos bombeiros e fuzileiros navais participaram de uma simulação de atos terroristas com armas químicas, nesta sexta-feira (20).

A força-tarefa, criada pelo Ministério da Defesa, foi realizada na cidade de Paulínia, localizada no interior do estado de São Paulo. O intuito, segundo informa o portal G1, era preparar as equipes que vão trabalhar durante os jogos olímpicos realizados no Itaquerão.

Dois cenários diferentes foram simulados, sendo que, em um deles, as armas eram utilizadas por terroristas ao longo de um jogo de futebol.

Publicidade
Publicidade

Em outra ação, um caminhão tanque explodia nas proximidades de um local populoso da cidade.

Para César Turriele, da Suatrans, empresa que tem como especialidade ações com produtos químicos, o resultado foi positivo, pois tiveram uma resposta eficaz ao conseguirem integrar todas as forças seguindo os protocolos estabelecidos previamente.

Os treinamentos tiveram duração de quatro horas, o que inclui a descontaminação das vítimas e da área que foi atingida pelos atentados e o resgate das pessoas. Para o trabalho, os profissionais contaram com a utilização de carros de corpo de bombeiros, ambulâncias, helicópteros e equipamentos de descontaminação de produtos químicos.

Nesta semana, Michel Temer realizou uma reunião com a equipe que escalou para seu governo - ele é o atual presidente do Brasil em exercício em razão ao afastamento de Dilma Rousseff por 180 dias como parte do processo de impeachment - e o ministro do Esporte, Leonardo Picciani, declarou que as alterações políticas não vão colocar em risco a realização da Olimpíada.

O político argumentou que as obras, para que o evento ocorra, seguem dentro da "normalidade".

Publicidade

Já Henrique Eduardo Alves, ministro do Turismo, tranquilizou a população em relação às manifestações, garantindo que, assim como foi feito na Copa do Mundo de 2014, os protestos serão tratados de maneira respeitosa e democrática. #Rio2016