Joaquim Barbosa é um dos ex-Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que mais é lembrado pela sua atuação na mais alta corte do país. De acordo com o site da revista Veja em reportagem publicada nesta segunda-feira, 09, ele vê a tentativa do deputado federal Waldir Maranhão, eleito pelo Partido Progressista do estado que leva no sobrenome, de tentar anular o impeachment da presidente Dilma Rousseff como um "motivo de chacota" para o mundo inteiro. Ele argumenta que a "chacota' acontece pelo momento inesperado. Presidente interino da Câmara dos deputados, Waldir transformou a segunda-feira em "caótica" por conta de tantas mudanças na política.

Publicidade
Publicidade

Ele substituiu o deputado federal Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro, que foi afastado do cargo pelo Supremo Tribunal Federal (STF). "Sabem o que mundo inteiro deve estar pensando sobre nós, brasileiros? A laughing stock'", publicou Joaquim Barbosa em sua conta no Twitter. 

Barbosa foi além e fez uma análise sobre qual deve ser a decisão da justiça sobre o parecer de Maranhão. Waldir é considerado um parlamentar do "baixo clero". Para o ex-Ministro do Supremo, a escolha do presidente interino dificilmente não deve passar pela mais alta corte do país. Ele foi além e disse que existem vícios do processo de #Impeachment e que isso deve ser corrigido pelo tribunal. Lembrando que o mesmo STF já havia autorizado o rito na Câmara dos deputados e também no Senado. Não é a primeira vez que o ex-Ministro se pronuncia sobre a crise política.

Publicidade

Ele continua usando o microblog de 140 caracteres para comentar tudo o que acontece no país. 

A votação no Senado, segundo o presidente Renan Calheiros, continuará na sua normalidade, sendo votada nesta quarta-feira, 11. Mais cedo, o Palácio do Planalto chegou a ser ocupado por manifestantes a favor da presidente. Até o fechamento desta reportagem, boa parte deles já tinha ido embora, sem necessidade da intervenção policial. Sobre o cancelamento do impeachment, Dilma disse que era necessário haver muita cautela sobre tudo o que acontecia.  #Lula #Dilma Rousseff