Na noite desta quinta-feira, 05, um vídeo começou a circular nas redes sociais e provocar grande polêmica. Ele mostra o revezamento da tocha olímpica na cidade de Anápolis, em Goiás. Publicado até pelo site da Globo, o vídeo mostra um momento de desorganização da equipe de segurança, que acompanha dos atletas e demais personalidades que levam o acessório olímpico. Um homem cadeirante chega a cair no chão, mas com o apoio das pernas, ele consegue se levantar e manter a tocha segura em uma das mãos. O fato de um cadeirante se levantar provocou muita polêmica na internet. Muitos internautas brincaram com a situação, dizendo que ali havia ocorrido um "milagre". 

O nome do rapaz que aparece nas imagens caindo e se levantando com a ajuda de policiais é João Paulo Nascimento.

Publicidade
Publicidade

Aos 25 anos, ele não é deficiente físico, mas representa o esporte paraolímpico brasileiro, atuando com um atleta de basquetebol em cadeira de rodas. Em seu Instagram, ele narrou a oportunidade de carregar a tocha com grande emoção e não reclamou do incidente ocorrido em Anápolis. Em imagens publicadas na rede social, ele parece de pé, dirigindo e também sentado em sua cadeira de rodas. 

De acordo com a rádio Metropolitan FM, João está em uma escala de 1 a 4,5 em uma escala de dificuldade de movimentação das pernas. Diferente do que muitas pessoas possam ter acreditado, ele não é paraplégico. No entanto, após alguns problemas e um sério acidente no ano de 2005, o atleta ganhou o direito de praticar o esporte. De acordo com o site da rádio Metropolitan, o paratleta tem um enfermidade conhecida na medicina como "Geno Valgo", que é uma espécie de desalinhamento das pernas.

Publicidade

Nessa desalinhamento, os joelhos sofrem uma ação que os colocam para dentro do corpo, enquanto os pés ficam para fora, fazendo assim quem possui o "Geno Valgo" ter dificuldade de locomoção. 

No Facebook, apenas um dos vídeos que exibe o acidente tem mais de 250 mil exibições. Apesar do susto, o fogo olímpico não foi apagado e foi transmitido a outra pessoa em Goiás. 

Veja o polêmico vídeo: 

#Rio2016 #É Manchete!