Raimundo Lira, eleito pelo PMDB da Paraíba e que preside a Comissão do impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado, não permitiu que o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo defendesse mais uma vez a petista nesta quinta-feira, 06. O pedido para Cardozo falar de novo foi chamado de "réplica" pelo Senador Lindberg Farias, do Partido dos Trabalhadores (PT) carioca. Lindberg disse que o advogado da presidente teria direito de fazer uma nova defesa agora que o relator do caso, Antonio Anastasia, do PSDB de Minas Gerais, também tinha falado. 

Raimundo Lira então detonou e lembrou que Anastasia não era da acusação  da presidente, mas apenas representava o papel de relator do #Impeachment.

Publicidade
Publicidade

Segundo Lira, assim como ficou dito em inúmeras vezes, sempre que for necessário e quiser fazer qualquer pronunciamento, Anastasia tem esse direito e assim o fará. A resposta do presidente da Comissão irritou Lindberg, que fez cara de bravo e "chateado". 

A sessão desta quinta teve justamente o objetivo de analisar o relatório escrito por Anastasia. O advogado-geral da união começou elogiando o parecer do colega, mas depois criticou pontos em que considerava a questão falha. Ele mais uma vez pediu que os congressistas não votassem pela paixão, lembrando que apesar de também ser político, o impedimento da líder petista também era baseado na justiça, solicitando assim que isso fosse o julgado pelos Senadores. Cardozo voltou a negar que Dilma tenha cometido qualquer crime de responsabilidade.

Publicidade

No entanto, dessa vez, ele preferiu não usar a tese de "golpe político", como usava anteriormente. 

Cardozo também comentou brevemente o fato do Supremo Tribunal Federal (STF) ter afastado mais cedo o deputado federal Eduardo Cunha da presidência da Câmara. A jornalistas ele disse que vai recorrer ao Supremo para que a sessão do impedimento na casa dos deputados seja anulada. Não é a primeira vez que o advogado tenta essa manobra. Enquanto ela não for julgada, o impeachment continua sendo julgado pelo Senado.  #Lula #Dilma Rousseff