Nessa quarta-feira, 4, o CNJ (Conselho Nacional de #Justiça) recusou cinco das catorze representações feitas contra o juiz federal responsável pela Operação #Lava Jato.

As rejeições se deram por descumprimento de prerrogativas taxativas da lei, como por exemplo, o caso do governador do Piauí, Wellington Dias, que representou contra o juiz após a divulgação dos áudios provenientes de ligações grampeadas de Lula e Dilma e teve o pedido negado por não anexar a procuração do seu advogado e um comprovante de residência à representação.

Outras nove representações ainda serão analisadas. O juiz federal gerou revolta entre esquerdistas, sobretudo do PT, após divulgar diversos áudios de ligações grampeadas de Lula com vários nomes conhecidos, como Dilma e Jaques Wagner.

Publicidade
Publicidade

A esquerda repudiou o ato, pois achou que o juiz invadiu a privacidade das pessoas envolvidas na conversa, acusando-o, inclusive, de quebrar regras para tentar punir os investigados ‘inocentes’ da Operação Lava Jato.

Sérgio Moro chegou a se desculpar publicamente pelo ato, gerando aplausos de muita gente. O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, que é do PT, chegou a demonstrar publicamente sua admiração pelo juiz, bem como exaltou a humildade de Moro por reconhecer um erro perante um magistrado.

Segue abaixo a declaração de Fernando Haddad sobre Moro:

 

Lula nas mãos de Moro

Após várias semanas de impasse, os autos do processo contra Lula, provenientes de uma denúncia do MP-SP, que inclui um pedido de prisão, foram remetidos para Curitiba, onde Sérgio Moro deve decidir pela prisão do ex-presidente.

Publicidade

Poucos dias antes de Moro viajar para os Estados Unidos, onde foi homenageado como uma das ‘em pessoas mais influentes do mundo’, a operação da #Polícia Federal anunciou que iria denunciar Lula formalmente pelo envolvimento no esquema de desvio de recursos da Petrobras para reforma de seu sítio.

Assim como ocorreu durante o depoimento coercitivo, onde a imprensa soube do ocorrido após a busca dos depoentes do dia começar, Sérgio Moro e cia não deve fazer alardes preliminares antes de colocar em prática sua decisão, seja pelo momento oportuno da denúncia formal ou de acatar ou não o pedido de prisão temporária de Lula por conta de um processo criminal por lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.