No fim da noite desta sexta-feira, 20, o deputado federal afastado da presidência da Câmara, Eduardo Cunha, esteve no programa 'Mariana Godoy Entrevista', da RedeTV!. Ele falou sobre denúncias que estão sendo travadas contra ele e sobre o afastamento de Dilma Rousseff da presidência. Questionado sobre o argumento da petista de que existe um "golpe" no Brasil, ele ironizou: "Pode ser que tenha havido um golpe no Brasil, mas um golpe de sorte. A gente pode ter se livrado da Dilma e do #PT de uma vez só". 

O deputado falou de outras polêmicas, como por exemplo, o fato dele ter dito que voltaria à Câmara na segunda-feira, 23, mesmo após proibição do Supremo Tribunal Federal (STF).

Publicidade
Publicidade

Cunha disse que era óbvio que ele não iria, pois não queria causar nenhum tipo de afronta, mas que iria questionar a decisão do STF. Sobre o fato dele ser milionário, ele negou a informação, dizendo que não é porque paga R$ 1 milhão em impostos que seja rico, mas que se for olhar por essa ótica, ele seria então milionário.

Mariana Godoy então questionou como ele conseguiu juntar tanto dinheiro sendo deputado. Eduardo revelou que tem negócios há trinta anos, nos quais realiza comércio exterior. De acordo com o parlamentar, sua fortuna foi feita nas décadas de 80  e 90. Os passaportes dele demonstram que em pouco tempo ele entrou na África mais de 60 vezes. 

No entanto, ele negou que tenha ajudado na compra um campo de petróleo em Benin. "Nunca estive em Benin na minha vida", explicou. O parlamentar é acusado de ter recebido cinco milhões de dólares em propina para facilitar a aquisição do empreendimento.

Publicidade

#Eduardo Cunha ainda negou que tenha influenciado na escolha Ministério do presidente em exercício Michel Temer. De acordo com o político, Temer é presidente nacional do seu partido e que nos cargos escolhidos por ele há muitas pessoas da legenda, portanto, seria natural que exista convivência, mas que ele não indicou ninguém para a presidência. É a segunda vez que o ex-presidente da Câmara faz essa afirmação.  #Dilma Rousseff