Não está fácil para o Governo Temer conseguir alguém para assumir a secretaria da cultura. De acordo com a coluna Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, Daniela Mercury foi mais uma artista a recusar o convite.

Além dela, outras quatro mulheres já fizeram o mesmo: a atriz Bruna Lombardi, a jornalista e apresentadora Marília Gabriela, a antropóloga Cláudia Leitão e Eliane Costa, que é consultora de projetos culturais da Fundação Getulio Vargas.

Temer encerrou as atividades do Ministério da Cultura e o juntou com a educação. A  oportunidade de criar um ministério focado em cultura, foi conquistada há aproximadamente 30 anos.

Publicidade
Publicidade

O fim dele não foi bem recebido por artistas.

Colocar alguém na secretaria se tornou um grande desafio, pois além de cortar o Ministério da Cultura, Temer “esqueceu” de colocar mulheres e negros como ministros. A atitude foi amplamente criticada e ele tenta reverter a situação ao convidar mulheres para ocuparem a cadeira.

Antes de Daniela Mercury, Bruna Lombardi também disse “não” ao convite feito pelo #Governo Temer, de a dirigir a Secretaria Nacional de Cultura. Segundo reportagem da Folha de São Paulo, Bruna disse que ficou agradecida pelo convite, mas que não tem pretensões políticas. O jornal disse ainda que o nome da atriz foi sugerido por Marta Suplicy (PMDB-SP).

Claudia Leitão, que já foi secretária de Economia Criativa do Ministério da Cultura (MinC), também foi cogitada, mas ao ser sondada respondeu “um sonoro não”.

Publicidade

Em publicação no Facebook, ela disse esperar que nenhuma mulher aceitasse o convite, para não contribuir com a “transfiguração do MinC num apêndice do MEC".

Marília Gabriela também negou o convite e Eliane Costa usou as redes sociais para explicar o motivo de ter recusado. Ela começou dizendo que foi abordada por uma pessoa do meio cultural e, por ter admiração e respeito por esta pessoa, não pôde responder como queria, “aprofundar na resposta”. Segundo ela, disse apenas que não trabalha para “pra governo golpista” e que não vai ser “coveira do Minc”.   #Michel Temer #Crise-de-governo