A cantora baiana Daniela Mercury foi a mulher de número cinco que recusou a Secretaria de Cultura do #Governo do presidente em exercício #Michel Temer. A informação foi confirmada nesta quarta-feira, 18, pela jornalista Mônica Bergamo, da 'Folha de São Paulo'. A profissional da música foi procurada pela Senadora paulista Marta Suplicy, que já teria tentado o mesmo tipo de contato com outros nomes, como o da apresentadora e jornalista Marília Gabriela. O convite à Daniela também foi confirmado pela repórter fotográfica Marlene Bergamo. O contato de Marta com a jurada do reality show 'SuperStar' teria acontecido ainda no início da semana. 

Além de Daniela, outras mulheres já foram convidadas e se recusaram a assumir a pasta que entra no lugar do Ministério da Cultura.

Publicidade
Publicidade

A já citada Marília Gabriela, a antropóloga Cláudia Leitão, a atriz Bruna Lombardi e a consulta de projetis culturais Eliane Costa. Já se fala até que o presidente em exercício Michel Temer terá que recuar na hora de escolher uma mulher para pasta. Ele havia confirmado que queria um nome feminino para suprir a falta de representatividade feminina em seu governo em sua primeira entrevista à televisão brasileira depois que assumir ao cargo. A conversa foi feita com a jornalista Sonia Bridi, do 'Fantástico'. 

Avalia-se que muitos artistas estão com medo de pegar a pasta justamente pelas polêmicas que isso vai gerar. Enquanto isso, a Cultura continua unida ao Ministério da Educação. Esse não foi o único Ministério que sofreu mudanças. O da previdência, por exemplo, uniu-se novamente com o da Fazenda.

Publicidade

Mesmo sendo uma pasta teoricamente mais relevante, sua fusão com outro Ministério gerou menos repercussão que  a atitude tomada com a Cultura. Isso porque muitos artistas se pronunciaram e repudiaram a atitude de Temer. 

Daniela foi sensata ao não aceitar a pasta, não só pela polêmica em torno dela, mas porque poderia realmente ficar queimada no mercado. Uma coisa é ser um representante cultural, outra bem diferente é gerir esse quesito em um país do tamanho do Brasil.