A delegada que está cuidando do caso da menina de 16 anos que sofreu estupro coletivo afirmou que está convicta de que houve estupro, e que o vídeo e o depoimento são suficientes para provar o #Crime sexual, pois o exame de corpo de delito é importante, mas não é determinante. Ela explicou que existem casos de relações sexuais com consentimento em que há ferimentos e outros casos de relações sem consentimento sem nenhuma lesão, pois a vítima pode não oferecer resistência. 

A menina vítima do estupro coletivo não ofereceu resistência, pois estava desacordada; isso ficou claro no vídeo, segundo a delegada. A perita legista do Instituto Médico Legal (IML) afirmou que o canal vaginal é um órgão com bastante elasticidade, com capacidade para passar um bebê, por isso ele é bem resistente a ferimentos.

Publicidade
Publicidade

As lesões dependem das práticas sexuais anteriores ao ocorrido, mas que mesmo que não haja lesões não quer dizer que não tenha havido estupro.

Ela e a delegada têm certeza que houve estupro, portanto o próximo passo é buscar investigar quais pessoas estavam envolvidas para prendê-las. Já existe mandado de prisão preventiva de suspeitos.

Afastamento do delegado Thiers

O chefe de polícia que está cuidando do caso afirmou que o delegado Alessandro Thiers é um ótimo profissional, mas que não está isento de erros. Ele deixou o caso no domingo, e a delegada Cristina Bento o assumiu. Veloso, o chefe de policia, ainda confirmou que a delegada Cristina tem mais experiência em casos de abuso, mais conhecimento e um trato melhor com vítimas de estupro, já que o delegado não soube conduzir muito bem, segundo queixa da própria vítima que se sentiu julgada por ele, ao duvidar se houve realmente abuso.

A delegada também confirmou o recebimento de muitos áudios falsos por whatsapp, que afirmam que o tráfico não permitiria um estupro na favela.

Publicidade

Cristina afirma que os traficantes não permitem que pessoas de fora violentem as meninas, mas que eles mesmos violentam mulheres da comunidade. 

Raí de Souza, de 22 anos, se entregou a policia nesta segunda-feira, e confessou que divulgou o vídeo nas redes sociais. O jogador de futebol Lucas Perdomo Duarte Santos, de 20 anos, do time Boa Vista, dito como namorado da vítima, também é suspeito da divulgação das imagens da vítima e já foi preso pelas autoridades. #Casos de polícia