A delegada Cristiana Bento deu uma coletiva de imprensa na tarde desta segunda-feira, 30, na qual revelou que o estupro de uma jovem de 16 anos no Rio de Janeiro estava provado. Segundo Cristiana, o vídeo publicado nas redes sociais já seria suficiente para provar que houve #Crime. Agora a Polícia investigará quantos homens, quem e quais foram as circunstâncias do estupro. A profissional ainda informou que investiga o namorado da vítima, Lucas, um jogador de futebol promissor do Boa Vista. Na conversa com os jornalistas, ela criticou o fato de que a população fica "julgando a vítima".

Um suspeito, de acordo com os policiais, foi preso.

Publicidade
Publicidade

Ele é Raí de Souza, que confessou ter gravado e divulgado imagens da menina na internet. Outro homem também pode ir para a cadeia. Raí chegou rindo e acenando na delegacia.  Este é Raphael. Ele aparece nas imagens fazendo selfie com o corpo da menina nua. O crime contra ele é de violação e exploração de menor de idade. 

Cristina assumiu o caso no lugar de Alessandro Thiers, da Delegacia de Repressão a crimes de Informática. Ele foi acusado de ser machista e de colocar a culpa do crime na vítima. Ela diz que a vítima precisa ser preservada, conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente. O chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Fernando Veloso, também participou da coletiva, na qual disse que a violência pode ser real ou presumida, e ambas são passíveis de punição.

Ainda segundo o chefe da Polícia Civil, a jovem teria passado por um estupro coletivo antes.

Publicidade

 "Há "elementos fortes" de ter ocorrido um "estupro coletivo anterior"", explicou ele, mas deixando claro que a prova contundente, como foi nesse caso, não seria tão contundente. Mais cedo, o jornal Extra do Rio de Janeiro divulgou conversas de Alessandro Thiers, na qual ele colocava em dúvida o crime contra a jovem. Ele chega a afirmar que não houve estupro, mas sim sexo consensual. O delegado fala ainda que a menina vista em entrevistas de televisão não seria a mesma que deu depoimentos à Polícia.