O presidente Michel Temer em apenas uma semana de mandato como líder em exercício do país tomou uma decisão que até então Dilma Rousseff não teria realizado em quase seis anos à frente da presidência da república: marcar uma reunião com a bancada feminina da Câmara dos deputados. A informação foi confirmada pela deputada federal Rosângela Gomes, do PSB do Rio de Janeiro. Nesta quinta-feira, 19, após se reunir com o peemedebista, ela criticou a presidente afastada Dilma pela falta de diálogo. Rosângela ainda teceu elogios a #Michel Temer em ter se reunido com elas em um ato formal no Palácio do Planalto, em Brasília. Sobre o fato da Secretaria de Política Para Mulheres ter perdido o status de Ministério, a parlamentar negra disse que nunca houve qualquer diálogo com a petista.

Publicidade
Publicidade

Desde que assumiu o poder, Michel Temer é acusado de não promover a diversidade em seu governo. As críticas foram maior pelo fato de não existir nenhuma mulher em Ministérios e também da falta de negros. Agora coube a uma parlamentar (mulher e negra) defender o presidente, o que se torna algo relevante. "Temer fez um grande gesto às mulheres. Tínhamos no passado ministério, mas não tínhamos diálogo e nunca tivemos um momento como hoje de sentarmos com a presidente", disse a parlamentar do PSB. 

Quem assumirá a Secretaria da Mulher, que assume o lugar do Ministério extinto, é a ex-deputada federal Fátima Pelaes. Ela foi indicada pela bancada feminina na reunião com Michel Temer. Temer convidou todas as parlamentares mulheres da Câmara, mas algumas de oposição preferiram não se reunir com o agora presidente.

Publicidade

Dentre as que estiveram no Palácio do Planalto, várias delas deram entrevistas falando bem da atitude do político. Ao todo, 20 mulheres se reuniram com Temer. Na discussão, um pedido especial ainda será analisado pelo peemedebista. Elas querem que uma mulher ganhe posição no alto escalão da Câmara, solicitando que ele apoiasse uma chapa em que um nome feminino ficasse com pelo menos a vice-presidência. O pedido tem sentido em um momento que a casa tenta tirar Valdir Maranhão do cargo de presidente interino.