A presidente Dilma Rousseff fez um duro discurso na tarde deste sábado, 07, no estado de Tocantins. Novamente, ela falou que o seu processo de impeachment era um golpe de estado. Ela aproveitou o evento para afirmar que nunca roubou o povo brasileiro. "Eu não tenho contas no exterior, eu não recebi dinheiro de propina, eu não recebo dinheiro de corrupção", disse a petista em um tom de despedida. Dilma reclamou ainda de dizerem que ela é uma mulher dura. "Sou honesta", concluiu para uma plateia de simpatizantes. Em Palmas, capital do Tocantins, ela inaugurou um empreendimento voltado para a pesca e a agricultura. 

Tem sido assim nos últimos dias que Rousseff tem certeza que atuará como presidente da república.

Publicidade
Publicidade

Até os fins de semana estão sendo utilizados para eventos públicos, quase como uma campanha eleitoral. Só nesta sexta-feira, 06, ela participou de três eventos diferentes. O deste sábado mais uma vez teve a presença de Kátia Abreu, Ministra da Agricultura que deve se licenciar do cargo para votar a favor da petista no Senado entre os dias 11 e 12 de maio. A votação começará no dia 11, mas a previsão é que demore até dois dias, pois sua extensão deve ultrapassar as vinte horas.  

No evento de lançamento do empreendimento para a pesca e agricultura, a presidente disse que ia resistir e que seus adversários não manteriam o mesmo respeito e política pelos mais pobres, deixando de priorizar programas essenciais do governo, como o 'Minha Casa, Minha Vida' e o 'Bolsa Família'. Ela não disse em nenhum momento o nome de seu sucessor, o vice-presidente Michel Temer.

Publicidade

A agenda de Rousseff tem sido anunciada horas antes dela comparecer aos eventos, evitando qualquer tipo de represália.

A previsão é que com o afastamento, Dilma desça a rampa do Palácio do Planalto, em Brasília, realizando um ato simbólico pelo seu afastamento e dando a impressão de que está deixando o cargo temporariamente de cabeça erguida. O afastamento, caso aprovado, pode durar até 180 dias. Até esse período, o Senado precisa votar de novo, dessa vez, pela deposição da petista.  #Lula #Dilma Rousseff #Impeachment