Parece que virou moda a divulgação de áudios comprometedores envolvendo políticos brasileiros. Depois de Dilma, Lula, Michel Temer e Romero Jucá, chegou a vez do presidente do Senado, Renan Calheiros, também ser vítima de uma gravação capciosa, na qual mostra que no fundo também não gostava da gestão da presidente afastada Dilma Rousseff. A gravação foi realizada pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Em determinado trecho da gravação, o Senador peemedebista eleito pelo estado de Alagoas esbraveja: "todos estão putos com ela".

No momento da citação com um palavrão, Renan fazia menção aos Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Publicidade
Publicidade

Em nota enviada à 'Folha da São Paulo', a assessoria da mais alta corte do país disse que não houve qualquer tipo de negociação entre Renan e os Ministros em relação ao #Impeachment de Dilma. Outro momento polêmico da gravação mostra Renan mostrando-se contra ao atual modelo de delação premiada utilizado pela Procuradoria-Geral da República. Para ele, um preso não pode ajudar delatando outros nomes. Esse é o principal artifício hoje utilizado na investigação da Lava-Jato, conduzida pela juiz federal Sérgio Moro.

Em nota, Renan Calheiros disse que em nenhum momento ele diz qualquer coisa que fosse contra as investigações ou desfavoráveis à ação de entidades que cuidaram do impeachment de Dilma. De acordo com o presidente do Senado, tudo o que ele disse são opiniões já manifestadas diversas vezes no Congresso ou a veículos de imprensa. 

A gravação envolvendo o líder do Congresso Nacional foi divulgada apenas dois dias depois do áudio comprometedor envolvendo o ex-Ministro do Planejamento Romero Jucá.

Publicidade

Na conversa de Jucá, ele parece armar uma trama para atrapalhar a Lava-Jato, fato negado pelo político, que revelou ter se afastado do cargo de Ministro até que a Procuradoria-Geral da República tome alguma atitude em relação ao assunto, dizendo se ele cometeu qualquer tipo de crime durante a conversa. O presidente em exercício Michel Temer exonerou Jucá do cargo já no dia seguinte à divulgação da gravação.