De acordo com a avó da menina que foi estuprada por 33 homens, o motivo do crime teria sido por vingança do namorado dela. Ele estaria irritado com a possibilidade de ter sido traído. A avó afirma que ela frequentava o Morro São João, no Rio de Janeiro, por causa desse namorado com quem mantinha uma relação por mais de três anos.

A avó da menina disse que ela nunca chegou a levar o namorado para conhecer os pais na sua casa. Desde ontem um vídeo circula pela internet, no qual a vítima aparece acordando desorientada. Ela olha para os lados e não entende o que está acontecendo. Está machucada. Um dos homens no vídeo faz insinuação de que ela teria sido estuprada por mais de 30 homens.

Publicidade
Publicidade

Não é só isso. O homem olha para o visor da câmera e fala que ela foi atacada por um trem, faz uma brincadeira grosseira em que compara o que aconteceu a ela com a passagem de um trem bala. Em seguida ele filma o órgão genital da vítima que ainda está sangrando. Este caso ganhou grande repercussão na internet depois que o vídeo foi veiculado numa conta de Twitter. Desde então o perfil na rede social foi apagado e investigações começaram a ser feitas por parte da delegacia de crimes de informática. Até este momento, quatro suspeitos já foram identificados pela polícia. Os demais ainda precisam ser investigados e identificados. 

No depoimento que já foi dado à polícia pela vítima, ela informa que foi visitar o namorado na noite de sábado e que acordou no dia seguinte drogada e nua. Um dos detalhes mais perturbadores da história é que quando ela acordou pôde ver que ali estavam 33 homens armados com pistolas e fuzis.

Publicidade

Em seguida, vestindo roupas masculinas, ela pegou um táxi e foi para casa. Somente depois de alguns dias, ela viu que o vídeo havia sido divulgado na internet.

Depois do fato a jovem ainda voltou para sua comunidade porque teve celular roubado e foi comunicar o evento ao "dono do tráfico". Este comunicou a ela que iria investigar o caso do estupro. O caso ainda está sendo muito comentado nas redes sociais. #Violência #Casos de polícia