Em entrevista ao 'Fantástico' da Rede Globo de Televisão neste domingo, 29, representantes da Polícia Civil do Rio de Janeiro disseram que não encontraram sangue aparente no local da cena do crime do suposto estupro coletivo de uma menina por mais de 30 homens. A casa está localizada no Morro do Barão, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Apesar de não encontrar o sangue, a Polícia diz que objetos foram levados para perícia para ver se vestígios podem ser encontrados. Outros vestígios de DNA, como esperma, também serão pesquisados nos exames. Essas amostras serão periciadas e comparativos de DNAs encontrados no quarto e de suspeitos serão comparadas. 

Na entrevista ao 'Fantástico', a Polícia solicitou que não fosse usado o senso comum pelos cidadãos, especialmente àqueles que sequer viram o vídeo que desencadeou as investigações.

Publicidade
Publicidade

Nas imagens, a jovem aparece desacordada tendo o seu órgão genital mexido por dois homens. Um deles zomba da adolescente e diz que ela engravidou de mais de 30. Nos depoimentos à polícia, a menor de idade disse que foi na sexta-feira, 20, para a casa de um namorado, mas que depois não lembra mais de nada. Acredita-se que ela tenha sido dopada após isso.

O namorado deu depoimentos à polícia e disse que não estava com a jovem após sexta-feira. A menina diz que acordou no domingo, 22, rodeada de 33 homens fortemente armados. Ela revelou ao então delegado do caso, Alessandro Thiers, que contou um por um dos homens. Alessandro foi afastado do caso após a advogada da menor, Eloísa Samy, chamá-lo de machista. A família também dispensou o trabalho da advogada, que está fora do caso. 

Neste domingo, a menor de idade conversou com os principais programas de televisão.

Publicidade

Ela entrou para o Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes ameaçados de Morte (PPCAM) e está em outro local. A jovem saiu da sua residência e agora mora em uma casa segura. O endereço dessa residência não pode ser fornecido por nenhum dos familiares da jovem, que teria recebido ameaças de morte na internet.  #Crime #Investigação Criminal