O ex-jogador Rivaldo, atualmente vivendo com a família nos Estados Unidos, usou sua conta na rede social Instagram para lamentar a morte da jovem de 17 anos, Ana Beatriz Frade, morta após um arrastão que ocorreu no bairro Del Castilho, na zona norte do Rio de Janeiro. Além disso, o craque exortou turistas estrangeiros a não virem para os Jogos Olímpicos, pois, se o fizerem, segundo ele, estarão colocando suas vidas em risco, por causa da #Violência urbana.

Ana Beatriz foi baleada na manhã do último sábado (7), por um grupo armado na Linha Amarela, via que liga o aeroporto internacional do Rio à maioria das instalações que serão usadas durante as Olimpíadas.

Publicidade
Publicidade

A jovem foi alvejada durante um assalto mal sucedido, após oito homens cercarem o carro em que estava com sua família, indo em direção ao aeroporto para receber sua mãe, que retornava de uma viagem.

Mensagem aos turistas

Depois de postar uma foto de Ana Beatriz em seu perfil no Instagram, Rivaldo exortou seus seguidores a não virem para os Jogos Olímpicos – e nem mesmo para o Brasil, pois na visão do atleta, turistas que visitarem o país estarão colocando mais do que sua segurança pessoal em risco. Adicionalmente, o ex-jogador comentou também sobre a péssima situação dos hospitais públicos, além do que chamou de “bagunça na política brasileira”, concluindo: “Só Deus para mudar a situação do nosso Brasil”.

Rivaldo conta, atualmente, com 406 mil seguidores no Instagram, e suas afirmações já estão repercutindo na Europa.

Publicidade

As mídias de Portugal, Espanha e Reino Unido, por exemplo, já publicaram notícias sobre as declarações do ex-jogador.

Números preocupantes

Números oficiais divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) indicam que o Rio de Janeiro, lar de cerca de seis milhões de habitantes, registrou um total de 1.202 assassinatos no ano passado, número menor do que o registrado em 2014.

No entanto, em 2015, apresentou aumento no número de vários tipos de crimes, tais como roubos de veículos, telefones celulares, estabelecimentos comerciais, residências, caixas eletrônicos, cargas e transporte público, além de crescimento no número de casos envolvendo estelionato e extorsão. #Rio2016