Neste sábado, 28, o Facebook da menina vítima de um estupro coletivo foi retirado do ar. A jovem, que vamos chamar de "X", já tinha quase 200 mil seguidores. Uma página com o nome de "X" foi criada para discutir o suposto #Crime. Nela, a adolescente de 16 anos publica notícias e agradece o apoio que recebe na internet. O perfil dela saiu do ar depois que começou a ser vasculhado. Algumas pessoas chegaram a condenar a vítima, pois postagens na rede social indicariam uma suposta relação da garota com criminosos. O fato é apurado pela polícia. Em uma das suas últimas publicações, a garota revelou que bebia, fumava e anda a pela favela, mas que isso não justificaria nada do que aconteceu com ela. 

Em uma das suas primeiras publicações sobre o caso, a adolescente disse que teve o celular roubado e que, por isso, não estava falando sobre nada.

Publicidade
Publicidade

A família da menor de idade contou a jornalistas que ela chegou em casa no domingo chorando muito e não querendo falar sobre nada o que aconteceu. A avó da adolescente confessou que a menina já teria sumido outras vezes, que tem problemas com drogas e um filho de três anos. O pai, chorando muito, revelou que "bagunçaram" a filha dele.  

A polícia já tem certeza de pelo menos duas coisas, houve o crime da divulgação das imagens, já que a legislação brasileira prevê que é proibido divulgar conteúdo pornográfico com menores, e de que é mesmo a garota no vídeo que chocou o país. A adolescente disse ao jornal 'O Globo' que haveria um segundo vídeo, no qual estupradores usariam objetos para molestá-la. Os investigadores chegaram a mostrar um dos vídeos que seriam vinculados à ela, que não se identificou nas imagens.

Publicidade

Neste sábado, 70 policiais chegaram a fazer uma operação para apurar o caso em uma comunidade de Jacarepaguá. Um home foi detido, mas liberado horas depois por falta de provas. Ele revelou que não tem qualquer relação com o crime. Outros suspeitos foram ouvidos e negaram o estupro. Raí, de 20 anos, no entanto, confessou que gravou as imagens que pararam nas redes sociais.  #Investigação Criminal