Muita gente imaginava que o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva fosse ficar triste com a saída da presidente Dilma Rousseff do poder. O jornal 'Folha de São Paulo', inclusive, chegou a publicar que ele estaria em depressão, seguindo fontes próximas ao líder petista. No entanto, a tristeza de Lula teria acabado nos últimos dias. De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, o ex-presidente acredita que o "jogo não acabou". Tanto que pediu até para servir um verdadeiro banquete para ele e sua equipe em um hotel em Brasília, capital do Brasil, o mesmo que virou matéria da 'Isto É', que publicou que o petista e sua equipe chegaram a gastar R$ 800 mil no tempo em que ficaram hospedados. 

No cardápio para Lula, comidas ao estilo "caseiro", sempre com um toque refinado.

Publicidade
Publicidade

A responsável pelos quitutes é Tia Zélia, dona de um estabelecimento muito frequentado por petistas. Quase sempre quando vai à Brasília, o político passa no local, por ser apaixonado por um musse de tamarindo. Para ele agora, ainda segundo o Estadão, o afastamento de Rousseff não tira o Partido dos Trabalhadores do jogo. 

Entre os argumentos utilizados por ele a interlocutores está o fato dele acreditar que o vice-presidente, Michel Temer, rapidamente terá uma insatisfação popular que deve atrapalhar sua governabilidade. A previsão é que Temer assuma ainda na semana que vem o governo, caso o Senado aprove no dia 11 ou 12 o afastamento da líder política do país. Dilma tem até 48 horas para deixar o caminho livre, liberando seu gabinete no Palácio do Planalto. Ela, no entanto, continua morando na residência oficial do Palácio da Alvorada. 

Curiosamente, o suposto argumento de Lula é dado justamente quando as pesquisas eleitorais para presidência mostram ele como um dos favoritos pelos eleitores.

Publicidade

Ele, inclusive, chegou a se reunir com o presidente do Senado Renan Calheiros, com quem questionou a possibilidade de adiantar as eleições de 2018. Calheiros acredita que um novo pleito só será possível mesmo em 2017. A previsão máxima para que o Senado julgue a deposição de Dilma é de 180 dias após o afastamento ser decretado.  #Dilma Rousseff #Impeachment