A França é um dos símbolos da liberdade e de governabilidade mais saudável do mundo. Toda vez que o país é alvo de algum tipo de violação a repercussão é imediata. Nesta terça-feira, 31, o presidente francês, François Hollande, comentou sobre o processo de impeachment que o Brasil está passando. Diferente do que a presidente afastada Dilma Rousseff diz, chamando a discussão do impeachment de "golpe parlamentar", François lembrou que no Brasil existem leis e que confia nas instituição brasileiras, refutando assim qualquer ar possivelmente golpista. 

O comentário do presidente francês foi breve e realizado após um visita do Ministro das Relações Exteriores José Serra do PSDB.

Publicidade
Publicidade

O comunicado foi realizado aos jornalistas no Palácio do Eliseu, a sede da presidência na França. Comparando seria como o Palácio do Planalto/Palácio da Alvorada ou a Casablanca, nos Estados Unidos. François Hollande ainda citou brevemente uma das maiores crises da Venezuela. Ele pediu que os países vizinhos à pátria governada por Nicolás Maduro tentem achar um diálogo e ajudar o povo venezuelano.

José Serra está fazendo uma espécie de peregrinação para romper com o discurso de golpe realizado pelo Partido dos Trabalhadores. Além de visitar diversos países e instituições de todo mundo, o tucano autorizou ao Itamaraty que enviasse um comunicado a todos os embaixadores. Esses foram orientados a explicar de maneira formal como funciona a lei brasileira no processo de impeachment. Ele não quer que ninguém fale que há um golpe no Brasil.

Publicidade

Enquanto isso, a presidente afastada Dilma Rousseff e seus aliados tentam ganhar espaço com a crise do início do #Governo do presidente em exercício #Michel Temer. Em apenas uma semana, dois Ministros já foram exonerados. Foram eles os chefes das pastas do Planejamento e da Transparência. Ambos caíram após a divulgação de escutas gravadas pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que tenta conseguir delação premiada da Procuradoria-Geral da República durante apuração da Lava-Jato.