Uma investigação feita pelo Ministério Público Federal (MPF), nos últimos anos, concluiu que mais de R$ 2,5 bilhões foram sacados dos cofres públicos por meio do Programa Bolsa Família, do Governo Federal, indevidamente. O pagamento do valor para pessoas que não necessitam do benefício teria prejudicado mais de 1,4 milhão de beneficiários.

Dentre as irregularidades enumeradas pelo MPF, está a de saques realizados por pessoas que já faleceram, entrando para a lista de casos absurdos. Também foi retirado dinheiro do benefício por pessoas sem CPF ou com cadastros de pessoa física em muitos números para um único usuário. Um dos principais crimes seria o recebimento do valor por quem não tem direito ao benefício segundo a lei, como servidores públicos e doadores de campanhas eleitorais.

Publicidade
Publicidade

A investigação ocorreu por meio do levantamento de dados de usuários e o cruzamento de informações dos cadastrados na Receita Federal, Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e também em Tribunais de Conta (TCMs e TCEs).

O levantamento foi feito entre os anos de 2013 e 2014. Por conta do valor e das inúmeras irregularidades, o Ministério Público Federal (MPF) pediu para que o Ministério de Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA), que cuida do Bolsa Família, tome as medidas cabíveis para sanar essa questão, diante dos dados apresentados pelo MPF.

Apuração de irregularidades

Essa investigação surgiu em junho de 2015, por conta de um projeto de transparência lançado por Rodrigo Janot, procurador-geral da República.

O Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário enviou uma nota oficial à imprensa, culpando a presidente afastada, Dilma Rousseff (PT), pelo mau uso do dinheiro e da máquina pública.

Publicidade

"Não ignoramos a possibilidade de irregularidades ocorridas na gestão anterior", diz o texto.

O Ministério também falou que pretende aperfeiçoar os seus trabalhos e controlar ainda mais a distribuição de dinheiro público para os beneficiários do Bolsa Família. Por outro lado, Michel Temer (PMDB), presidente interino em exercício, avisou, em seu discurso de posse, que não irá cortar nenhum programa social criado na gestão de Dilma Rousseff. #Investigação Criminal #Casos de polícia #Crise-de-governo