É estarrecedor saber que muitas pessoas acreditam que a vítima de estupro é culpada e merecedora de tal violência. A cultura do estupro no Brasil é inadmissível e deve ser combatida a qualquer custo.

Independente do comportamento, da maneira que se veste, das suas escolhas e convicções, mulher nenhuma merece ter seu corpo violado, ainda mais por 33 homens, canalhas, covardes e inescrupulosos. 

Criado perfil no Twitter para difamar a vítima do estupro coletivo no Rio

Como já não bastasse a crueldade e a humilhação sofrida no estupro coletivo, foi criado um perfil no Twitter apenas para difamar a jovem.

Segundo o jornal Extra, neste perfil aparece fotos de uma adolescente que ainda não se sabe se é a vítima, segurando algumas armas, no intuito de mostrar que ela teve o que mereceu.

Publicidade
Publicidade

Fica claro que o objetivo principal deste perfil é fazer com que o público acredite que a garota andava com bandidos e sendo assim, sabia que poderia ser estuprada. Deixando claro que ela tem culpa por ter sido cruelmente violentada.

Em pouco tempo, em menos de 4 horas, a conta já tinha quase 300 seguidores, com comentários inapropriados e em concordância com o #Crime. Um dos comentários diz: "De santa ela não tem nada". Ou seja, encontrou o que procurava.

A vítima é culpada

A coordenadora da ONG Think Olga, Juliana de Faria, afirma que é muito comum tentarem culpar a vítima. Geralmente as pessoas tentam traçar um perfil da vítima indicando que ela buscava pelo estupro e por isso foi merecedora de tamanha violência.

Juliana dá um exemplo sobre como as mulheres são vistas como objeto, ela ressalta que na maioria das vezes que uma mulher recebe uma cantada na rua, muitos acreditam que ela pediu isso e apontam a roupa, o batom vermelho e até mesmo o jeito de andar.

Publicidade

Pode-se dizer que ela provocou e teve o que queria, o que é um absurdo.

Segundo Juliana, o receio de ser estuprada afeta a todas as mulheres. A certeza da impunidade e as leis flexíveis do Brasil, servem de estímulo para os agressores.

Ela afirma que: "É um medo que passa pela mente de todas as mulheres que eu já conheci na vida. Acho que é um medo de todas as mulheres mesmo. É um medo que os homens não conhecem". #Investigação Criminal #Casos de polícia