O grupo de hackers "Anonymous" já começou a procurar os homens envolvidos no estupro coletivo que chocou não só o Brasil, mas o mundo inteiro. Uma garota de apenas 16 anos foi estuprada por 33 homens, todos armados e que ainda gravaram um vídeo do #Crime e postaram no Twitter. A revolta foi geral e logo os usuários denunciaram o perfil que fez a postagem. Este usuário foi excluído da rede social, mas já foi identificado pela polícia.

Em uma mensagem deixada na rede "Pastebin", o grupo pede a "urgente necessidade" de que todos os estupradores sejam identificados e presos. O "Anonymous" está empenhado desde esta última quinta-feira (26) a ajudar, através da #Internet, a conseguir as 33 identidades de todos os envolvidos no crime que chocou a todos.

Publicidade
Publicidade

A polícia já conseguiu identificar 4 dos criminosos, sendo que um deles é o ex-namorado da vítima, outro já foi funcionário da Rede Globo de Televisão e também já foram identificados os autores das postagens no Twitter, divulgando o vídeo do estupro coletivo. As contas destes usuários foram suspensas da rede social, mas, mesmo assim as investigações prosseguiram e eles foram identificados.

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro estão contando com a ajuda da população para que, através de denúncias feitas, seja possível identificar os demais autores do crime.

A menina foi encontrada em uma praça por um agente comunitário que a levou até a casa de sua família. O pai da vítima não consegue falar sobre o ocorrido, de tão abalado que está. A avó ficou chocada com as imagens do vídeo e contou que ela costuma ir àquela comunidade e ficar dias sem dar notícias, entretanto, nunca tinha acontecido isso antes e revela que pode até mesmo ter sido uma vingança do ex-namorado.

Publicidade

A garota foi levada ao hospital para realizar uma série de exames e também para tomar um coquetel de medicamentos no intuito de conseguir evitar várias doenças sexualmente transmissíveis.

O "Anonymous", apesar de ser um grupo de hackers e muitos o apontarem como "invasores de computadores", estão sempre se envolvendo em causas nobres e ajudando de alguma forma.

Na mensagem, o grupo avisou: "Não há, infelizmente, justiça que repare a dor e o trauma sofridos, porém, há a urgente necessidade de que indivíduos como estes não continuem soltos". #Casos de polícia