Um dos 33 homens que estupraram menina de 16 anos no último sábado no Rio de Janeiro era jogador de futebol do time Boavista, que participa da primeira divisão do Carioca atualmente. Ele é um dos quatro que já foram identificados pela Polícia Civil e que já tiveram seus nomes divulgados. O papel do jogador, na verdade, foi central no crime.

O jogador Lucas Perdomo Duarte Santos, 20 anos, se relacionava com a menina de 16 anos há cerca de três anos. No dia do estupro coletivo, ela havia saído de casa para se encontrar com ele. Em depoimento à polícia ela afirmou que lembra de chegar na casa do namorado e não ter mais ninguém lá, porém não lembra de mais nada, apenas de acordar no dia seguinte, no domingo, já em outro lugar e os os 33 homens armados com fuzis, enquanto ela estava nua e totalmente dopada.

Publicidade
Publicidade

Lucas Perdomo Duarte Santos era conhecido como Luquinhas e era uma das grandes promessas do time. Ele foi descoberto por um holandês, Clarence Seedorf. Seus pais são um pastor evangélico e uma doméstica. Os nomes de seus pais não foram divulgados. Atualmente ele não estava jogando, pois estava de férias do clube de Saquarema após o fim do Campeonato Carioca.

O Globo Esporte, programa da Rede Globo, entrou em contato com o time ainda na madrugada de sexta-feira (27) e recebeu a resposta de que João Paulo Magalhães, que faz parte do departamento jurídico do time, está acompanhando o caso; ele disse também que só soube sobre o que Lucas fez após o seu nome ser divulgado na imprensa entre os quatro nomes de criminosos já identificados pela polícia. Magalhães se disse chocado e afirmou que o time, assim como o Brasil, espera que os 33 homens sejam culpados e paguem pelo crime.

Publicidade

Lucas faz parte do Boa Vista desde o dia 2 de abril do ano de 2014. Sua estreia profissional no time foi no jogo contra o América-RN, na Copa do Brasil, quando o eu time perdeu a partida. Desde que começou a fazer parte do time principal, já havia feito quatro gols. Seu contrato expira em dezembro de 2016.

Saiba mais

Parente diz que menina que sofreu estupro iria ser assassinada e foi salva

ONU condena estupros coletivos no Brasil e pede que não se culpe vítimas #Casos de polícia