A garota que foi estuprada por 33 homens no Rio de Janeiro virou notícia em todo país. A menor de idade prestou seu primeiro depoimento para a polícia quinta-feira (26) e a revista Veja teve acesso a suas revelações. Ela contou para a polícia que foi estuprada numa comunidade no último sábado, no bairro de Jacarepaguá. Ela conta que o crime aconteceu na Praça Seca, dentro do Morro de Barão. Os criminosos gravaram vídeo após a adolescente ser violentada e postaram no Twitter, gerando revolta de milhares de internautas.

Ela também contou para a polícia que saiu durante a madrugada de sábado para encontrar Petão, 19 anos, com quem tem relacionamento há três anos.

Publicidade
Publicidade

A menina afirma que lembra de chegar na casa dele e depois apenas lembra que acordou em outra casa, já no domingo, mas na mesma comunidade. Ao acordar, ela se viu em frente à 33 homens armados com pistolas e fuzis. Ela acordou nua e dopada. Para fugir da situação, vestiu uma roupa de homem e foi de táxi até sua casa. A sua mãe pagou a corrida.

Ela contou ainda que está sentindo dores fortes dentro de seu corpo, além de estar completamente abalada psicologicamente. Ela ainda será ouvida para ajudar a identificar os criminosos. A garota estuprada disse que costuma usar loló e ecstasy, mas que não havia usado nenhuma das drogas na noite do crime, já que estaria há um mês sem consumir nada disso.

Dois dos 33 homens postaram o vídeo após o estupro na internet e já foram identificados. Já um homem que tirou selfie com a garota apagada na cama após o crime está sendo procurado pela polícia.

Publicidade

Se você tiver informações que ajudem a polícia a identificar algum dos autores do crime, envie um email para alessandrothiers@pcivil.rj.gov.br.

O vídeo postado na internet é investigado pelo DRCI. Feministas militantes também levaram o crime ao Ministério Público do RJ, com imagens da tela nas redes sociais. Após uma chuva de denúncias por parte dos internautas, a conta que postou o vídeo foi bloqueada do Twitter. A Safernet aconselha que as imagens da garota não sejam compartilhadas, para que ela não seja ainda mais exposição com o caso. #Casos de polícia