A polícia já divulgou quatro nomes de suspeito de estarem envolvidos com o estupro coletivo que aconteceu no Rio de Janeiro. Um deles, Lucas Perdomo Duarte Santos, de 20 anos, é jogador de futebol do Boavista, time da primeira divisão do Rio de Janeiro. O homem está foragido desde quinta-feira (27) à noite.

Este homem é o que se relacionou com a vítima por mais de três anos e, que segundo a avó da vítima, achava que tinha sido traído pela adolescente. O jogador do clube de Saquarema, Região dos Lagos do Rio de Janeiro, é chamado de Luquinhas e era uma das grandes promessas da equipe.

O rapaz, que é filho de um pastor evangélico e de uma doméstica, foi descoberto pelo holandês Clarence Seedorf.

Publicidade
Publicidade

No momento, ele não estava jogando, pois entrou em farias depois do fim do Campeonato Carioca.

Entenda o caso

Uma adolescente, de 16 anos, contou que foi para a casa de Lucas, o jogador de futebol, com quem se relacionava há três anos, no sábado. Ela estava bem, mas só se lembra de ter acordado no domingo, nua e com mais de 30 homens ao seu lado. A garota contou que estava dopada e os homens todos armados.

Ela não conhecia a casa em que estava e só conseguiu voltar para junto da família na terça-feira, com a ajuda de um suposto agente comunitário. A família contou que a menina chegou em casa vestida com roupas masculinas rasgadas, descabelada e descalça. Ela não contou o que aconteceu.

Os pais da vítima só ficaram sabendo do estupro quando as imagens foram divulgadas na internet. O mesmo aconteceu com a avó da vítima, que ficou chocada.

Publicidade

Segundo postagem feita pela garota em uma rede social, ele tinha medo de ser julgada mal pelo que aconteceu e agradeceu o apoio que está tendo.

A polícia pediu para a Justiça que a prisão preventiva de Lucas e mais três suspeitos seja concedida. Dois deles foram responsáveis pela divulgação das imagens nas redes sociais. Lucas e um ex-funcionário da Globo são suspeitos de serem um dos mais de 30 homens que abusaram sexualmente da adolescente, no Rio de Janeiro, no último domingo.  #Crime #Investigação Criminal #Casos de polícia