Com a saída de Dilma Rouseff (PT) para ser investigada por crime de responsabilidade podendo perder o seu cargo, o governo interino de #Michel Temer (PMDB) na presidência da república tem causado muita polêmica nas redes sociais e também nas ruas. A última que causou revolta foi a extinção de diversos ministérios, como o da Cultura (MinC), a GCU e a escolha dos responsáveis para as pastas sendo composta apenas por homens.

A novidade do momento é o nome para comandar a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), responsável pela emissora TV Brasil, a Agência Brasil e outros veículos eletrônicos de imprensa. O escolhido foi Larte Rimoli, que ficará no lugar de Ricardo Melo, ex-presidente da Empresa nomeado no começo de maio pela então presidente Dilma.

Publicidade
Publicidade

O ex-chefe da EBC deveria cumprir ainda um mandato de quatro anos, que está contido na lei de regulamentação da empresa.

Contudo, Melo chegou a recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para permanecer no cargo de confiança, porém a Corte Suprema do Brasil ainda não analisou o pedido de mandado de segurança para assegurar direito certo e líquido, impetrado por ele.

Jornalismo sem partido?

O que muitos partidários do Partido dos Trabalhadores e pessoas ligadas ao movimento anti-Temer estão dizendo é que a decisão do presidente em exercício é um absurdo, pois Rimo é ligado à Eduardo Cunha, pois assumiu no ano passado o cargo de diretor de Comunicação da Câmara dos Deputados. Além disso, o jornalista coordenou a campanha de Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência em 2014. Para os governistas, a presença de Rimoli na empresa pode significar a quebra do caráter "público" da EBC e um "pacto" para o que eles chamam de "golpe".

Publicidade

Durante o governo de Fenando Henrique Cardoso, ele foi assessor de imprensa do Ministério das Comunicações. Atualmente, a pasta também foi extinta por Temer.

A diferença mais gritante entre os dois presidentes da EBC é que Rimoli trilhou um caminho voltado para a política, sempre aliado ao PSDB e PMDB. Já Ricardo Melo tem formação semelhante, mas tem a carreira mais voltada para a iniciativa privada (ex-editor e colunista da Folha, TV Bandeirantes, Globo e SBT).

Na internet, há boatos de que Rimoli tenha feito campanha contra o governo de Dilma e pedido o #Impeachment da presidente. #Crise-de-governo