24 horas depois o WhatsApp continua bloqueado em todo o Brasil. O aplicativo foi retirado do ar depois de uma decisão do juiz Marcel Montalvão, do município de Lagarto, Sergipe. A decisão passou a entrar em vigor na segunda-feira, 02, e se for cumprida até o final, os usuários do programa só poderão mandar ou receber mensagens a partir de quinta-feira, 05. Não demorou muito que internautas revoltassem fossem até à página do juiz Marcel Montalvão no Facebook e fizessem de críticas à brincadeiras com a situação. O número de mensagens foi absurdo. Gente que pedia que o juiz voltasse em sua decisão e liberasse o aplicativo.

Segundo a empresa, que é gerida pelo Facebook, no Brasil, mais de 100 milhões de pessoas usam o WhatsApp.

Publicidade
Publicidade

Esse número ultrapassaria um bilhão em todo o mundo. De acordo com gestores do 'Zap Zap', não tem como recuperar as informações que a justiça está pedindo, que seria para ajudar na investigação de tráfico de drogas. A empresa diz que liberar os dados afetaria usuários de todo o mundo. . “Migo seu loko, devolve o Whats”, foi apenas uma das mensagem publicadas no perfil oficial do juiz. Enquanto o outro internauta solicitou: “Liga o whatsapp aí rapidão”.

Para que o serviço fosse retirado do ar, as principais operadoras de telefonia móvel foram avisadas. Algumas que enviam internet para residências também interromperam o envio das mensagens. Não se sabe se o magistrado decidiu bloquear sua página, mas quando nossa reportagem foi tentar acessar o seu perfil, a publicação de mensagens na linha do tempo do perfil do juiz só podia ser efetuada por usuários que são amigos de Montalvão. 

Com o bloqueio do WhatsApp, outros aplicativos também enfrentaram problemas devido a alta procura.

Publicidade

Em apenas quatro horas, o Telegram, por exemplo, recebeu um milhão de novos usuários, o que fez com que o Telegram chegasse a sair do ar. A empresa pediu desculpas e explicou que teve uma sobrecarga em seu serviço. Enquanto isso, brasileiros que usam o aplicativo para trabalhar, reclamavam na internet.  #Crime #É Manchete!