A medida judicial começará a valer em todo território nacional às 14 horas dessa segunda feira (2). As operadoras telefônicas têm ordem para bloquear o serviço pelo tempo determinado, e em caso de descumprimento, as operadoras estarão sujeitas a multa de R$ 500 mil por dia.

O serviço já havia sido bloqueado no final de 2015 por 48 horas depois da recusa do WhatsApp em fornecer informações à #Justiça brasileira. Outro pedido de bloqueio do app foi feito em fevereiro deste ano, desta vez por um juiz do Piauí. O motivo foi a falta de colaboração da empresa dona do aplicativo para com a polícia do estado, que investigava casos de pedofilia.

Publicidade
Publicidade

A decisão foi suspensa por um desembargador do Tribunal de Justiça do Piauí, após análise de mandado de segurança impetrado pelas teles.

Dessa vez, decisão de bloquear o aplicativo foi tomada no dia 26 de abril, mas só agora veio a público. A decisão foi do juiz Marcel Montalvão (SE), o mesmo que em outra ocasião decretou a prisão do vice-presidente do Facebook, que atualmente detém a propriedade do aplicativo WhatsApp, no mês de março.

Com a notícia do bloqueio, muitos usuário que necessitam do serviço no dia a dia ou até usam para trabalhar, começaram a recorrer a alternativas semelhantes para usar enquanto o bloqueio vigorar.

Da necessidade de regulamentação

As companhias telefônicas defendem a necessidade de regulamentação do uso do serviço fornecido pela empresa do Whatsapp, visto que no entendimento de muitas delas, o fato de ser possível realizar chamadas gratuitas pela #Internet se equipara até mesmo a um serviço de chamadas piratas, como foi afirmado pelo presidente da Vivo, Amos Genish, em certa ocasião.

Publicidade

Ele afirmou não ter nada contra o aplicativo, que na opinião dele é uma ótima ferramenta, mas enfatizou a necessidade de regulamentar o Whatsapp, e criar regras iguais para o mesmo jogo. Nas palavras dele, o fato de existir uma operadora telefônica sem licença no país é um problema sério, já que para ele, o serviço é praticamente uma operadora telefônica. #Crime