Nesta quarta-feira (25), foi divulgado o complemento dos áudios gravados por Sérgio Machado (Presidente da Transpetro). Tudo indica que, nas próximas fases da maior operação contra o maior escândalo da corrupção no país, a Lava Jato, teremos outros protagonistas nas investigações.

Entenda os últimos acontecimentos da Lava Jato

Um áudio com gravação de conversas comprometedoras de autoridades políticas vem sendo, o motivo de estresse de algumas personalidades parlamentares no cenário político do Congresso Nacional, tudo indica que, a cúpula do PMDB será a próxima na linha de investigação da Lava Jato.

Há quem aposte que a hora de Renan Calheiros (PMDB-AL) Presidente do Senado Federal e do ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AL), está por um fio, ou seja, não passa da próxima etapa da Operação.

Publicidade
Publicidade

A #Lava Jato que vem causando pânico entre os envolvidos, agora, foi impulsionada pelo afilhado do Presidente do Senado Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro na qual atuou entre o período de 2003 a 2015, a empresa é a maior processadora de gás natural, vinculada à Petrobras.

Por se tratar de uma autoridade dirigente, Machado, possui vínculo de amizade com diversas autoridades políticas, em virtude dessa aproximação e o receio da Lava Jato, o ex-presidente decidiu colaborar para desmascarar os possíveis envolvidos na #Corrupção.

Ocorre que, Sérgio Machado articulou junto aos investigadores com quem buscou orientações, um plano estratégico com a finalidade de obter a concessão de alguns benefícios, principalmente, reprimir a sua condução à sede da Operação Lava Jato, onde rege a competência do Juiz Federal Sérgio Moro.

Publicidade

O arranjo foi planejado e concretizado no momento da entrega das gravações aos investigadores, o conteúdo do áudio demonstrou detalhes sobre o esquema de corrupção, inclusive, as novas tentativas que os pmdebistas articulavam para obstruir a Lava Jato.

Todo o material foi encaminhado ao relator do processo da Operação o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki para a homologação de uma possível delação premiada, que favorecesse ao ex-presidente da Transpetro.

Enquanto o Ministro analisava o conteúdo, uma parte das gravações foi publicada e imediatamente descobriram-se os dizeres entre Sérgio Machado e Romero Jucá (PMDB-PE) que prestes a assumir o cargo de Ministro do Planejamento, tentava uma espécie de 'pacto' com o intuito de frear a Lava Jato.

Logo em seguida, a decisão do Ministro Teori (STF), ganhavam as manchetes dos principais jornais do país além das páginas de noticiários da internet, estava materializada a homologação do benefício da delação premiada em favor de Sérgio Machado.

Publicidade

Agora, a Procuradoria Geral da República (PGR) está decidindo sobre a utilização da colaboração na possível instauração de novos inquéritos da Lava Jato, além de poder solicitar parte do conteúdo referente às pessoas que não tem foro privilegiado, ser encaminhadas ao Juiz Sérgio Moro, no Paraná.

Ademais, a Lava Jato demonstra que ninguém está acima da Lei. A ocorrência dessa semana serviu para o fortalecimento da Operação, todavia, as investigações seguem a todo vapor. No momento, não importa quem tenta obstrui-la, pois, a Lava Jato, se tornou referência mundial devido à eficiência dos órgãos competentes, aliado aos seus integrantes que se dedicam ao cumprimento do dever legal, os julgadores e fiscalizadores das Leis, todos são personagens responsáveis e essenciais ao sucesso da credibilidade da Justiça no país.  #Governo