Sabe aqueles momentos que você acaba querendo defender uma ideia, mas involuntariamente acaba se dando mal? Pois isso aconteceu nesta terça-feira, 31, com o Senador Lindbergh Farias, eleito pelo Partido dos Trabalhadores (PT) do Rio de Janeiro. Ele usou o Facebook para comentar um novo dado da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). No entanto, ele não soube analisar a pesquisa e criticou sem querer sua aliada, a presidente afastada Dilma Rousseff. 

"Recorde de desemprego: o golpe aumentou a crise", escreveu o Senador do Rio de Janeiro em uma montagem do Facebook. Ele usou como base a pesquisa coordenada pelo Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, que mostra como ficou o desemprego no primeiro trimestre no país.

Publicidade
Publicidade

A questão é que a pesquisa foi encerrada nos primeiros dias de Abril e Dilma só saiu do #Governo no dia 12 de maio, quando 55 Senadores votaram pelo seu afastamento. Ela aguarda uma nova votação no Senado que definirá se a petista será ou não deposta e ficará oito anos inelegível. 

O desemprego chegou a impressionantes 11,2%. O número é o mais alto desde que a pesquisa foi criada, em 2012. O desemprego é tão alto que é semelhante à época da grande inflação no Brasil, entre o final da década de 1980 e o início da de 1990, que teve fim com o Plano Real criado por Fernando Henrique Cardoso, que mais tarde conquistaria duas vezes a presidência do país. 

Não é a primeira vez que representantes do Partido dos Trabalhadores (PT) escorregam na hora de dar dados. O deputado federal Sibá Machado, eleito pelo Acre, por exemplo, chegou a publicar uma foto da Copa do Mundo sendo vista na Coreia do Norte.

Publicidade

A imagem exibia uma multidão exibindo a cor da Coreia, o vermelho. No entanto, de acordo com o deputado, a reunião era, na verdade, uma manifestação da legenda que levou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma ao poder. Ele fez outros posts com informações erradas. Alguns sequer foram apagados depois da má repercussão.  #Michel Temer