O senador Lindbergh Farias do Partido dos Trabalhadores (PT) recebeu com tristeza durante o intervalo para almoço a notícia de que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, havia negado o recurso apresentado pela defesa da presidente #Dilma Rousseff. "Lamento a decisão, mas a gente sabia que era difícil nessa altura dos acontecimentos, no meio do processo de votação aqui, conseguir uma vitória nisso", disse sob forte chateação o petista, que no Senado tentou manobras para procrastinar a votação que julgará se a presidente será ou não afastada do poder. No entanto, nenhum do argumentos utilizados por ele foi ouvido pelo presidente da sessão, Renan Calheiros, do PMDB de Alagoas. 

A tentativa de anular a votação do #Impeachment no Senado foi enviada pelo Advogado-Geral da União, José Eduardo Cardozo, que alegou que o pleito realizado no dia 17 de abril não teria validade, pois foi conduzido por um presidente hoje afastado pelo próprio SFT, Eduardo Cunha, eleito pelo PMDB do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

Ele também usou no pedido da anulação o fato de Renan Calheiros não ter aceito uma medida assinada pelo deputado Waldir Maranhão (PP - MA), na qual ele cancelou a validade da votação que teve 367 parlamentares favoráveis ao prosseguimento do impeachment. O próprio Maranhão, no entanto, decidiu revogar o seu parecer horas depois. 

Antes do Senado começar a sessão do impeachment que terá a votação do impedimento, diversos Congressistas do governo usaram todas as "questões de ordem" possíveis, tentando reverter ou pelo menos procrastinar o destino de Dilma que começava a ser traçado. A oposição lembrou que essa tática vem sendo adotada pelo Partido dos Trabalhadores (PT) desde que o documento começou a ser tratado, antes mesmo da abertura realizada por Eduardo Cunha, então presidente da Câmara dos deputados. 

No dia histórico para a política brasileira, o jornal O Estado de São Paulo publicou que Rousseff se despede perdendo a pouca dignidade que ainda tinha e dizendo que ela sai da presidência para ficar no esquecimento dos brasileiros.  #Lula