O cantor Lobão decidiu usar as redes sociais para comentar o caso de estupro coletivo, sofrido por uma adolescente de 16 anos, no Rio de Janeiro. A menina foi abusada por mais de 30 homens e só acordou no dia seguinte, dopada e nua. Segundo Lobão, esses casos lamentáveis de estupro não são de “se surpreender”. De acordo com o músico, o Brasil “fabrica mini-putas” e tem “erotização precoce”.

Logo os internautas responderam às postagens do cantor no Twitter, condenando a sua fala. Poucos concordaram com ele.  A polêmica fez com que o nome do artista ficasse entre os mais comentados desta rede social.

Depois de muitas mensagens recebidas, o cantor tentou se justificar, dizendo que o Brasil é recordista de prostituição infantil, que tem a cultura da erotização que “isso são fatos”.

Publicidade
Publicidade

Ele disse ainda que não estava justificando algo injustificável (estupro coletivo).

No momento, a hashtag #EstuproNãoÉCulpaDaVítima é uma das mais usadas do Twitter e já tem mais de 54 mil comentários a usando.

Estupro coletivo no Rio de Janeiro chocou o país

Uma menina de apenas 16 anos foi abusada por mais de 30 homens. As imagens foram divulgada nas redes sociais e o #Crime abalou o país. O caso aconteceu no último final de semana, no rio de Janeiro.

Publicidade

A jovem foi para a casa do namorado, com quem se relaciona há mais de três anos e só se lembra de ter acordado nua e dopada, no dia seguinte. Ela estava em uma casa desconhecida e cercada por mais de 30 homens armados.

Os criminosos, além de abusarem da menina, filmaram-na nua e sangrando, ferida após o estupro coletivo. Vídeos e fotos foram divulgados na internet. Quatro suspeitos foram identificados pela polícia, que pediu para a justiça a prisão preventiva deles. Um deles é um jogador de futebol de um time de primeira divisão do Rio de Janeiro. Outro é um ex-funcionário da Globo.

As investigações continuam e, quem souber de qualquer cosia pode ligar para o telefone 181. O Disque Denuncia recebe informações e não pede a identificação da pessoa. A ligação é gratuita.  #Investigação Criminal #Casos de polícia