Ludmilla foi vítima de racismo na internet e pretende registrar ocorrência nesta segunda (23). Um homem teria postado os comentários em uma rede social. Em entrevista dada ao portal G1, o empresário da cantora, Alexandre Baptestini, contou que eles já têm algumas informações sobre a pessoa.

O Instagram do suspeito não está mais no ar. O empresário contou que Ludmilla já havia bloqueado o homem, mas ele voltou a se pronunciar. O caso deve ser registrado na Delegacia de Repressão Contra Crimes de Informática (DRCI), em Benfica, na Zona Norte da capital carioca. Segundo ele, a cantora saiu chorando, após participação no programa do Faustão.

Publicidade
Publicidade

Para falar sobre ocaso, Ludmilla usou sua conta pessoal no Instagram e postou um print que mostra as ofensas feitas a ela. Ela aproveitou para pedir ajuda a alguma autoridade, pois não era a primeira vez que a mesma pessoa a atacava e dessa vez ela diz que irá “até o fim”. Na postagem atual feita pelo homem, ele chamava Ludmilla de "criola", "macaca" e "nojenta".

Esta não é a primeira vez que uma pessoa famosa sofre agressão racista na internet. A jornalista Maria Júlia Coutinho Ribeiro, que trabalha no Jornal Nacional como “mulher do tempo”, foi vítima de algo semelhante em 2015. Ela teve o apoio dos colegas de emissora e da família. O caso foi levado para a Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI).

Tais Araújo também passou por isso no ano de 2015 e encaminhou o caso para a polícia.

Publicidade

Os ataques racistas foram postados em sua página em uma rede social. Fãs se mobilizaram e postaram mensagens de apoio à Tais. A hashtag #SomosTodosTaísAraújo ficou como uma das mais usadas no Twitter.  “Não vou me intimidar, tampouco abaixar a cabeça”, escreveu a atriz em um desabafo feito na internet.

No mesmo ano, Cris Vianna também foi alvo dos ataques feitos pela internet de “racistas escondidos sob o pretenso anonimato da internet", definiu ela.

O #Crime de injúria está previsto no artigo 140 do Código Penal e o racismo enquadrado na Lei 7.716, de 1989. #Famosos #Casos de polícia