O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pretende tentar ao máximo antecipar a próxima eleição presidencial no Brasil. De acordo com informações do jornalista Claudio Humberto do site 'Diário do Poder' em reportagem publicada nesta terça-feira, 03, o líder petista seria o mais interessado e empenhado na tratativa de pressionar sua aliada política, a presidente Dilma Rousseff, a tentar fazer andar uma emenda constitucional no Congresso, que se aprovada poderia antecipar o pleito presidencial e juntá-lo ao municipal. A data máxima para que a petista faça isso seria o dia 09, segundo o jornalista do 'Diário do Poder'. 

#Lula ainda espera que com a renúncia de Dilma o vice, Michel Temer, faça o mesmo.

Publicidade
Publicidade

Caso ele não pense da mesma maneira, o Partido dos Trabalhadores (PT) deve acionar os movimentos sociais para fazer uma enorme pressão ao peemedebista. O líder petista acredita que com tanta pressão, Temer não aguentaria e tomaria a mesma atitude de Dilma. É bom lembrar que Rousseff disse diversas vezes que jamais renunciaria e que lutaria até o fim para comprovar que não teria cometido o crime de responsabilidade fiscal, principal base do processo de #Impeachment, que agora já está na fase da Comissão do Senado Federal. 

Segundo o jornalista Claudio Humberto, o político colocaria até seus "black blocs" nas ruas. Ele chega a usar a expressão "incendiar o país", como uma forma em que o ex-presidente utilizaria para pressionar Michel Temer, fazendo com que o marido de Marcela tenha medo para renunciar.

Publicidade

Além disso, de acordo com o profissional da mídia, são esperadas manifestações unidas de violência, que invadiriam as ruas e causaram uma enorme intimidação no Congresso Nacional, que seria então obrigado a autorizar a emenda constitucional. 

Recentemente, Lula se reuniu com o presidente do Senado Renan Calheiros, que disse a ele que os Senadores não estiam dispostos a aprovar uma PEC neste momento. Ele acredita que a eleição só seria antecipada por um plebiscito, que poderia ser feito este ano. No entanto, o plebiscito só autorizaria ou não o pleito para 2017.  #Dilma Rousseff