A primeira-dama do Brasil, Marcela Temer, teria ficado amedrontada com um protesto realizado neste fim de semana em frente à casa do presidente em exercício, #Michel Temer, do PMDB. A residência do peemedebista fica localizada em um bairro nobre da grande São Paulo. De acordo com uma reportagem do jornal 'O Globo' publicada nesta terça-feira, 24, Marcela teria ligado para o marido chorando. Ao telefone, ela relatou o medo de invasão. O filho do casal, Michelzinho, de sete anos, também teria ficado apavorado com a ação protagonizada por 40 manifestantes de ideologia próxima ao do Partido dos Trabalhadores (PT). Eles chamavam Temer de "golpista" e pediam a volta da presidente afastada Dilma Rousseff ao #Governo federal. 

O relato foi contado ao jornal carioca por um interlocutor do presidente em exercício.

Publicidade
Publicidade

De acordo com ele, o caçula de Michel Temer teria acordado com medo. Já a sogra do peemedebista chegou a ir para a janela da residência pedir que os manifestantes parassem o protesto. O interlocutor ainda informou a um dos maiores jornais do país que a postura do peemedebista foi de total indignação. Agora, temendo pela segurança da própria família, Michel planeja transferir os dois para mais próximo dele e também da segurança que tem pelo cargo que ocupa. Atualmente, ele só visita à família aos fins de semana. 

Marcela e Michel podem agora passarem a morar no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente, em Brasília. Em entrevista ao 'Fantástico', o presidente revelou que tinha a ideia que a mudança acontecesse apenas após a votação final do Senado, na qual ficaria claro se ele seria presidente definitivo do Brasil ou se voltaria a ser vice, consequentemente assim, acarretando a volta de Dilma Rousseff ao poder. 

O jornal 'O Estado de São Paulo' também publicou uma história semelhante, dizendo que o presidente teria dito que é "inadmissível" mexer com a família dele.

Publicidade

"Com a família não", teria comunicado o peemedebista, que agora tenta aprovar uma nova meta fiscal para a economia brasileira.