A menina de 16 anos de idade, que foi estuprada no Rio de Janeiro, usou as redes sociais para agradecer ao apoio que vem tendo, desde que o caso se espalhou. “Pensei que seria julgada mal”, escreveu a adolescente. Ela aproveitou a postagem para comunicar que o seu celular foi roubado.

A menina foi vítima de estupro coletivo na Zona oeste do Rio de Janeiro. O vídeo da jovem desacordada após o estupro foi divulgado pelo Twitter Doctor Stranger (@michelbrasil7). Foto de um homem fazendo uma selfie com a garota desacordada, nua e sangrando também foi divulgada em outro perfil.

O homem da selfie foi identificado pela polícia e se chama Raphael Assis Duarte Belo, de 41 anos.

Publicidade
Publicidade

O outro suposto participante do estupro foi identificado como Lucas Santos, de 19 anos. Ele era namorado da vítima há três anos e a conhecia desde a escola.

Dois homens que postaram vídeos e fotos da garota após o estupro coletivo também foram identificados, como Marcelo Correa, de 18 anos e Michel Brazil, de 20 anos. A polícia pediu a prisão dos quatro.

A menina já deu depoimento nesta quinta-feira (26) e foi encaminhada para o hospital, onde foi examinada e medicada. Ela está tomando remédios para evitar que contraia doenças sexualmente transmissíveis.

Nesta sexta-feira (27), a adolescente vai novamente à delegacia, desta vez conversar com o promotor do caso. Para acompanhá-la uma psicóloga estará presente. A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática continua investigando o caso.

Publicidade

A garota foi para a casa do namorado. Estava bem e, quando notou, acordou completamente dopada e sem roupa, no domingo, um dia depois de ter ido para a casa do namorado, em um local que não conhecia. Perto dela 33 homens armados.

A menina só conseguiu chegar em casa ao ser levada por um suposto agente comunitário. Quando a família viu os vídeos, temeu pela vida da menor de idade.

Segundo a avó da vítima, a garota frequentava a região desde que tinha 13 anos de idade e, às vezes, ficava mais de uma noite sem dar notícias, o que fez com que a família não estranhasse de ela ter ficado alguns dias fora. #Crime #Investigação Criminal #Casos de polícia