Na noite desta quinta-feira, 26, a menina de 16 anos que foi estuprada por 33 homens usou o Facebook para agradecer à uma corrente de mensagens favoráveis à ela. As primeiras informações sobre o caso são truncadas. No entanto, segundo depoimentos da adolescente, ela teria sido dopada, quando sofreu o abuso coletivo. "Venho comunicar que roubaram meu telefone, e obrigada pelo apoio de todos. Realmente pensei que seria julgada mal", publicou na rede social a jovem. Rapidamente, ela recebeu milhares de curtidas, comentários e compartilhamentos. 

Mensagens de apoio

"Menina, sofremos abusos todos os dias, mas nada parecido com o que aconteceu com você.

Publicidade
Publicidade

Isso mostra como nossa sociedade é chocante e animalesca ao mesmo tempo", disse uma internauta. 

"Nojo das pessoas que dizem que a menina que foi estuprada por 30 homens provocou o episódio por usar roupa curta e beber bebida alcoólica. Agora a vítima é que tem culpa?", defendeu outro seguidor do caso nas redes sociais. 

"Os trinta e três homens não são uma causa, eles são a consequência do problema. Frutos de uma sociedade machista que os ensinou que "ela tava querendo", lembrou outra mulher criticando a sociedade machista. 

"Ninguém compreende nossa dor por inteiro. Os amigos tentam aconselhar, os parentes dizem que tudo vai ficar bem, os conhecidos soltam a besteira: tem-gente-que-passa-por-coisa-pior. Tem mesmo, mas isso tira meu direito de sofrer?", desabafou mais uma pessoa no Facebook. 

Homens identificados e pedidos de prisão

Pelo menos quatro suspeitos já foram identificados.

Publicidade

Agentes da lei já solicitaram a prisão deles. Um dos supostos criminosos seria namorado da adolescente. A Polícia Civil e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro pedem ajuda à população para tentar solucionar o caso de forma rápida, além é claro, de identificar os 33 suspeitos. Segundo o Ministério Público, mais de 800 denúncias já foram protocoladas a respeito do estupro coletivo que aconteceu no fim de semana passada no Morro de São João, em Jacarepaguá.  #Crime #É Manchete!