O presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, pretende nos próximos dias fazer um pronunciamento em rede nacional de rádio e de televisão. A informação foi confirmada pela Revista Veja e também pela 'Folha de São Paulo' nesta quarta-feira, 18. A data para o pronunciamento ainda não foi agendada, mas o desejo de fazê-lo já foi exposto por Temer a seus interlocutores em reunião com os Senadores. O peemedebista deve revelar ao país todos os problemas deixados pelo governo da presidente afastada #Dilma Rousseff e quais são as necessidades de mudanças. O objetivo de Temer é revelar todas as "verdades" da gestão da petista e qual foi a "herança" deixada por ela ao país. 

Temer demonstra assim que não tem medo dos famosos "panelaços".

Publicidade
Publicidade

Dilma nos últimos tempos evitava dar entrevistas e fazer pronunciamentos na TV justamente por conta do medo da insatisfação popular. A líder petista recorria a vídeos na internet, cujos trechos eram exibidos durante os telejornais por se tratarem, quase sempre, de algo relevante, já que até então ela governava o Brasil. Dentre as revelações feitas por Michel está um rombo de 150 bilhões de reais nas contas públicas. O Partido dos Trabalhadores (PT) tinha informado até então que o déficit seria menor do que 100 bilhões de reais. 

Outra possibilidade levantada por Temer é marcar uma entrevista coletiva com a imprensa, dando espaço para os jornalistas salientarem todas as dúvidas do governo. Avalia-se que muitos dos novos Ministros tiveram problemas de ruído durante entrevistas. O da Justiça e o da Saúde, por exemplo, chegaram a mudar a conotação do que disseram.

Publicidade

O primeiro chegou a falar na possibilidade da escolha não democrática do procurador-geral da República, enquanto o segundo disse que era necessário rever os direitos garantidos pelos cidadãos no Sistema Único de Saúde. 

A grande verdade é que pela novidade, qualquer assunto pode gerar grande polêmica. Além de novo governo, Michel assume em uma situação atípica, quando Dilma diz ser alvo de um "golpe".  #Michel Temer