Em entrevista à jornalista Isadora Peron, o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes disse que a presidente da república Dilma Rousseff não tem mais qualquer capacidade de governar o Brasil, e, que por isso, não deve ir atrás da justiça para se manter no cargo. O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, está recorrendo na corte para tentar anular a sessão do impedimento na Câmara, muito pautado por conta do afastamento do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB - Rio de Janeiro). A entrevista de Gilmar se torna ainda mais problemática para a petista porque agora ele é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que também apura a chapa de Dilma com o vice-presidente, Michel Temer, na campanha de 2014 pela reeleição. 

Na entrevista, ele deu a entender que o processo do #Impeachment, caso seja resolvido no Supremo, não será favorável para a petista, fazendo uma espécie de "antecipação" do seu voto. Gilmar, no entanto, lembrou que o processo de impeachment causa perigos para o país, pois cria instabilidade na nação e sempre uma insegurança.

Publicidade
Publicidade

Por isso, o Ministro pede que haja responsabilidade das autoridades na hora de escolher suas ações. Mendes lembrou que a presidente perdeu com grande diferença de votos na Câmara dos Deputados. A petista teve 367 votos contra ela e apenas 172 a favor, um verdadeiro "7 a 1" da política. Ele ainda disse que não é dever da justiça ser responsável pelos desastres políticos e que no Brasil os poderes são separados e legítimos. "Eu também já defendi no plenário do Supremo que não faz sentido vir aqui ao tribunal resolver problema de falta de votos no Parlamento", revelou. 

O Ministro da mais alta corte do país disse que ninguém pode sobreviver politicamente apenas com uma liminar do Supremo e caso o STF fizesse isso, seria uma situação tão ruim que atrapalharia no desenrolar da democracia. Ele ainda aproveitou a entrevista para criticar o advogado de #Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, dizendo que não se pode chamar um impeachment baseado na Constituição brasileira de "golpe".

Publicidade

Mendes ainda reclamou do fato da defesa estar sendo feita por alguém que deferia servir ao povo e não por um advogado privado.  #PT