Praticamente todas as grandes personalidades do mundo da política e do jurídico acabaram dando pronunciamentos sobre a decisão do deputado Waldir Maranhão (PP), que escreveu uma ata que anulava a sessão do #Impeachment na Câmara dos deputados. Um deles é considerado opositor da presidente Dilma Rousseff, o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes. O representante da mais alta corte de justiça do país comparou o ato a um espetáculo de circo, do contrário, isso só pode ser chamado de tentativa de fraude ou crime. Dessa forma, para o Ministro, a atitude de Waldir é digna de um "palhaço" ou outro trabalhador da arte que quer fazer graça ou aparecer em um circo.

Publicidade
Publicidade

Ele ainda classificou a medida como 'Operação Tabajara'. O nome Tabajara é tido no imaginário popular como algo pirata, ruim, fraudulento. 

Gilmar Mendes ainda disse que não faz sentido uma decisão monocrática tirar o poder de uma votação histórica tomada por 367 deputados, que decidiram que o prosseguimento do impeachment deveria continuar no Senado. Essa votação foi realizada no dia 17 de abril, quando o pleito sobre a questão do afastamento da líder política do país demorou horas. O Ministro ainda fez críticas ao defensor de Rousseff, José Eduardo Cardozo, que já foi Ministro da Justiça e que agora tem o cargo de advogado-geral da união. O comentário foi dado depois que Cardozo confessou que se reuniu com Maranhão para pedir que a sessão do impedimento fosse cancelada. "A gente fica com vergonha do nível jurídico, inclusive do advogado-geral da União", detonou. 

Para o azar da presidente Dilma, Renan Calheiros não acolheu o parecer monocrático do presidente interino da Câmara.

Publicidade

Ele disse que precisava ser imparcial e seguir com o que está escrito na constituição brasileira, o que irritou muitos Congressistas do Partido dos Trabalhadores (#PT), especialmente Lindbergh Farias, eleito pelo Rio de Janeiro. Ela disse que Renan estava errando muito ao comandar o Senado. Calheiros então lembrou que apenas segue a decisão da maioria. No Senado, a questão da cassação de Delcídio do Amaral também dividiu bastante a atenção dos congressistas.  #Dilma Rousseff