Foi realizado um protesto na Praça Seca, mais precisamente na rua Cândido Benício, bem em frente à estação do BRT, na zona oeste do Rio de Janeiro, onde moradores se uniram a motociclistas e outros profissionais que moram e trabalham no local para protestarem contra a acusação da jovem que alega ter sofrido um estupro coletivo no local. Segurando vários cartazes, o protesto queria chamar a atenção para o fato de que, segundo eles, é tudo uma mentira e que ela não foi violentada por mais de 30 homens.

Não demorou muito e a polícia militar chegou à região e logo usou spray de pimenta para dispersar a multidão e acabar com o protesto que acontece em um momento muito delicado, principalmente depois da entrevista mostrada neste último domingo (29) no "Conexão Repórter", onde Roberto Cabrini fez uma série de perguntas à jovem e as respostas dela acabaram deixando as pessoas em dúvida sobre a veracidade do #Crime.

Publicidade
Publicidade

A rua precisou ser interditada, mas logo que a polícia militar chegou a multidão foi expulsa e o local foi liberado para passagem, apesar da lentidão no trânsito.

Existe um áudio circulando no WhatsApp onde um dos traficantes da região convoca toda população da comunidade para realizar o protesto. A suspeita é de que os bandidos não estão nada satisfeitos com o fato da jovem ter colocado praticamente o Brasil inteiro contra eles e por causa disto a polícia tem realizado busca no local, o que vem atrapalhando a venda de drogas na região.

Com a jovem correndo risco de vida, agora, a Justiça determinou que ela fosse enviada para o Programa de Proteção e ficou definido também que ela terá que se mudar do Rio de Janeiro para não ter perigo de ser assassinada, pois ela praticamente confrontou os traficantes da comunidade onde frequentou por tanto tempo.

Publicidade

Nas redes sociais, onde antes todos estavam ao lado da jovem e realizavam campanhas a seu favor, agora as opiniões ficam divididas e já é grande o número de pessoas perguntando até que ponto esta história é realmente verdadeira. #Violência #Casos de polícia