Mais um triste caso de estupro aconteceu no Brasil e ajuda a aumentar as já elevadas estatísticas que apontam uma mulher sendo violentada no país a cada 11 minutos. Desta vez o #Crime ocorreu em Manaus, onde uma jovem de apenas 15 anos foi abusada por um mototaxista. O homem suspeito de estuprar a menina já foi identificado, localizado e preso. Ele tem 28 anos e o estupro foi praticado na manhã desta sexta-feira (27).

A garota revelou à polícia que ela foi agredida diversas vezes pelo acusado e depois foi forçada a ter relações sexuais com ele. Tudo isto foi por volta das 5 horas da manhã - ela estava na casa do suspeito em uma comunidade indígena localizada no Parque das Tribos.

Publicidade
Publicidade

Este parque fica no bairro Tarumã, em Manaus.

Joyce Pacheco Santana, delegada plantonista da Depca - Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente - informou que os depoimentos estão contraditórios porque a jovem contou que ela chamou o mototaxista para ir de volta para casa, só que ele a levou para sua residência e lá foi forçada a ter relação sexual. O acusado, por sua vez, disse que ele estava no mesmo local que a garota, desde cedo, e que eles beberam muito e depois ela aceitou ir para sua casa onde tiveram relação sexual consensual.

Ainda de acordo com a vítima, ela precisou esperar o homem dormir para deixar o local e fugir. Então ela conseguiu buscar por ajuda na casa de uma amiga, de onde ela ligou para o Ciops e relatou o estupro. Os policiais estiveram no local, pediram à menina e também à sua mãe para entrarem na viatura e levaram as duas até a casa do acusado para identificação do suspeito.

Publicidade

Como a menina reconheceu o suspeito imediatamente, ele também foi encaminhado à delegacia, onde todos deram depoimento.

A Justiça agora irá providenciar o exame de corpo de delito, tanto da vítima como também do agressor. Também foi pedido o exame de conjunção carnal, além do anal e toxicológico.

A delegada deu início à investigação como sendo flagrante por estupro, já que tendo 15 anos de idade não se considera mais como sendo estupro de vulnerável. O fato da garota alegar que a relação sexual foi contra sua vontade, faz com que a ação seja enquadrada como estupro. #Casos de polícia #Protestos no Brasil