A presidente da república Dilma Rousseff recebeu recentemente mais uma denúncia que pode prejudicar ainda mais ela a se manter no poder. De acordo com uma reportagem publicada neste sábado pelo jornal carioca O Globo, Mônica Mourá, mulher de João Santana, ex-marqueteiro do 'Partido dos Trabalhadores', afirmou a em uma delação premiada que a dona da Friboi, a empresa JBS, teria pagou Caixa 2 durante a campanha de reeleição da petista. A companhia que é um das maiores empresas de carne do mundo, teria pago uma dívida da legenda com a Focal, uma gráfica de São Bernardo, reduto político do ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva.

O pagamento à gráfica não foi declarado para a justiça eleitoral.

Publicidade
Publicidade

A dona da Friboi doou legalmente mais de R$ 361 milhões na campanha de reeleição de Dilma. Ao Globo, a JBS negou as informações da reportagem e também de delação de Monica Moura, revelando que pesquisou em seus documentos e não encontrou qualquer menção ao suposto pagamento à gráfica que imprimiu material de propaganda para Dilma. 

A empresa foi escolhida para o Caixa 2, segundo Mônica, porque seu dono, Carlos Cortegoso, aceitaria receber os pagamentos após a campanha. A Focal, segundo O Globo, teria emitido notas fiscais para a JBS, mas nunca teria prestado qualquer tipo de serviço para a companhia. Um dos maiores sócios da dona da Friboi são empresas e órgãos estatais. A Caixa Federal e o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) tem juntos 27% do capital da empresa. Ainda de acordo com o jornal carioca, as notas no nome da JBS foram entregues pessoalmente na sede da empresa, em São Paulo.

Publicidade

As informações de Mônica Moura ainda precisam de mais provas para serem consideradas pelos procuradores e para que ela consiga ter uma negociação da delação. Ela e seu marido, João Santana, são denunciados por Lavagem de dinheiro e corrupção pelo Ministério Público Federal (MPF). A justiça eleitoral já julga uma ação que pode barrar a chapa de Dilma e Temer por supostas irregularidades cometidas durante a campanha eleitoral. O caso aberto no início de 2015 ainda não foi julgado.  #PT #Lula #Impeachment