O boneco de cera da presidente afastada Dilma Rousseff do museu 'Dreamland', em Foz do Iguaçu, no Paraná, sumiu no último mês. A informação foi confirmada pelo jornal 'Folha de São Paulo'. Não demorou muito para que os assíduos frequentadores do local começassem a falar que nem o museu queria a líder política do 'Partido dos Trabalhadores' (PT), ou que essa tenha sofrido um processo de impeachment até no seu boneco. Ao todo, o museu possui 96 bonecos de personalidades de todo o planeta, envolvendo artistas, religiosos e políticos. 

O boneco de Dilma estava com a faixa presidencial, usando o tradicional vermelho do PT e com um corte baixo de cabelo, semelhante ao atual usado pela companheira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Publicidade
Publicidade

Um boneco de cera de Lula também foi criado pelo museu, esse, no entanto, ainda continua no local. De acordo com a instituição, a retirada da estátua de Dilma não foi para o descarte, mas sim para a manutenção. Ou seja, assim que possível, a obra artística voltará para exposição. O museu revelou ainda que o "sumiço" do "clone" de cera da presidente não tem qualquer relação com o seu processo de impeachment. 

Na internet, muitos frequentadores do museu chegaram a brincar que a tirada de Dilma da exposição estivesse relacionada à "zoeira' de visitantes, que faziam questão de tirar foto com o boneco. Luiz Moreira, que gerencia à entidade, negou a informação. Ele voltou a dizer que a saída da estátua foi mesmo para fins de manutenção e que isso acontece com todos os bonecos a cada seis ou sete meses.

Publicidade

Ele ainda revelou que a manutenção é realizada na cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul. Além da estátua da petista, outros bonecos também teriam sido retirados do local no mesmo dia, como o que representa o ator americano Arnold Schwarzenegger.

Já o jornalista Jairo Lemos revela que no da 23 de abril a obra em homenagem à Rousseff não estava no local e que visitantes haviam dito que muitos tiravam fotos estendendo o dedo do meio, um gesto considerado obsceno.  #Governo #Dilma Rousseff #Michel Temer