O dia 1º de Maio é um feriado dedicado aos trabalhadores que não só ficam em casa descansando, como também podem participar dos muitos protestos que todos os anos são realizados pelo Brasil inteiro, pedindo melhores condições de trabalho, salários maiores, entre outras solicitações, mas este ano o "Dia do Trabalhador" tem um gostinho especial, pois acontecesse em meio ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff e os protestos deverão ser voltados para este tema.

As principais centrais sindicais já estão nas ruas do país e medem forças para mostrarem quem é mais forte, os prós ou os contra o impeachment da presidente petista.

E neste domingo temos claramente nas ruas a população dividida se misturando com os trabalhadores e o pessoal dos sindicatos.

Publicidade
Publicidade

No Vale do Anhangabaú, São Paulo, estão sendo aguardadas mais de 100 mil pessoas para participarem do protesto e comemorações, inclusive a própria presidente Dilma estará presente, ao lado de Luiz Inácio #Lula da Silva que vai se pronunciar por volta das 13 horas.

A CUT - Central Única dos Trabalhadores - é que está organizando tudo e convidou outras lideranças políticas do PT, como o prefeito Fernando Haddad. Apesar de serem realizadas muitas manifestações por outros estados brasileiros, sem dúvida alguma as atenções estarão voltadas para este, por causa da presença de Lula e Dilma.

Dilma providenciou ao longo desta semana um "pacote de bondades", o qual irá ser anunciado neste 1º de Maio e com isto espera ter mais apoio para que vença o processo e seu impeachment seja anulado. Um dos anúncios feitos pela petista deverá ser o reajuste de 5% na tabela do Imposto de Renda na Fonte, que não teve correção este ano.

Publicidade

Outra novidade será um aumento de até 9,5% nos benefícios proporcionados pelo Bolsa Família.

A equipe econômica avisou a presidente que não existe margem para novos gastos, mesmo assim ela resolveu fazer esta "gracinha" para não chegar de mãos vazias ao evento.

Estão presentes também no evento, diversos artistas que se posicionaram contra o impeachment, entre eles: Martinho da Vila, Chico César, Beth Carvalho, entre outros.

E a Força Sindical estará do outro lado, promovendo um evento contrário à Dilma, com várias manifestações pela zona norte da cidade, contando com diversos políticos e vários deputados federais que estarão denunciando os absurdos cometidos pela presidente. Aécio Neves e Eduardo Cunha não irão comparecer este ano.

De um lado a CUT com Dilma e Lula, do outro a Força Sindical com aqueles a favor do impeachment e no meio de tudo isto a população que ao sair de casa poderá ficar confusa sem saber para onde ir, apesar que muitos já sabem qual lado deverão apoiar.

Na avenida Paulista, no vão do MASP a manifestação será contra Dilma e também contra peemedebistas e tucanos, uma opção para quem não tem lado e quer mesmo é que o país saia da crise e a corrupção tenha fim. #Dilma Rousseff #Protestos no Brasil